Brasileiros batem recorde sul-americano indor no heptatlo e no salto com vara
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasileiros batem recorde sul-americano indor no heptatlo e no salto com vara

Demétrio Vecchioli

10 de fevereiro de 2014 | 12h20

Conforme já se esperava que pudesse acontecer, caíram neste fim de semana os recordes sul-americanos no salto com vara e no heptatlo, ambos no masculino, em prova indoor. A queda era só questão de tempo, uma vez que, entre o encerramento da temporada indoor do ano passado e o início de 2014, houve grande evolução do País nas duas provas.

Na vara, Thiago Braz, campeão mundial juvenil, e o surpreendente Augusto Dutra, colegas de treino na BM&F Bovespa, travaram bonita disputa durante todo o ano passado. Neste domingo, em Malmo (Suécia), Thiago venceu um meeting com 5,72m e superou em um centímetro o antigo recorde, que era de Augusto. A marca, porém, é “só” a 10.ª melhor do mundo na temporada.

Claramente Thiago fez o salto só para bater o recorde, uma vez que a prova teve baixíssimo nível técnico e ele já tinha a vitória garantida. Fábio Gomes da Silva saltou, mas não marcou. Ele volta de uma lesão no tendão de Aquiles que o tirou de todo o segundo semestre do ano passado.

Agora é Augusto quem está machucado, numa previsão inicial de voltar em duas semanas. Tempo apertadíssimo para disputar o Mundial de Sopot (Polônia), daqui a um mês. Fábio Gomes agora tem que correr contra o tempo para tentar fazer o índice de 5,75m, equivalente ao sexto lugar no ranking mundial.

HEPTATLO – Recordista sul-americano no decatlo, Carlos Chinin agora é também o melhor da história da América do Sul no heptatlo, prova correspondente, mas disputada em ginásio indoor apenas. Sábado, ele venceu o Meeting de Tallinn, na Estônia, com 5.951 pontos e alcançou o sexto lugar no ranking mundial da temporada.

Se no decatlo as provas de pista são de 100, 200, 400 e 1.500 metros, além dos 110m com barreiras, no heptatlo elas são apenas três: 60m, 1.000m e 60m com barreiras. O salto com vara e o arremesso de peso também são mantidos, mas na prova em ar livre há a disputa do salto triplo e dos lançamentos de disco e martelo, enquanto no indoor compete-se no salto em altura e no salto em distância.

Apesar de tantas diferenças, Chinin agora é o recordista sul-americano (e consequentemente brasileiro) tanto na prova em local aberto quanto na em pista fechada. No heptatlo, superou os 5.916 pontos feitos por Luiz Alberto de Araújo, também em Tallinn, no ano passado.

Os dois eram colegas de clube na BM&F Bovespa até o ano passado, mas Chinin se transferiu para o Pinheiros nesta temporada. Felipe dos Santos, também da equipe pinheirense, acabou em sétimo, com 5.765 pontos, apesar de ter terminado o primeiro dia na liderança. Assim é o 16.º do ranking mundial.

REVEZAMENTO – A equipe masculina do revezamento 4x100m está treinando em São Paulo sob o comando de Paulo Servo e José dos Santos Figueiredo, respectivamente os técnicos de Vitor Hugo dos Santos, vice-líder do ranking mundial juvenil dos 200m no ano passado, e Codó, melhor brasileiro dos 100m em 2013.

Para ir ao Mundial de Revezamentos, em maio, nas Bahamas, a equipe tem que fazer 38s90, algo plausível, mas nada que dê certeza da participação do Brasil na competição. Foram convocados Codó, Jefferson Lucindo, Bruno Lins, Aldemir Gomes, Eric Sigaki, Aílson Feitosa e  Jorge Henrique da Costa (os sete primeiros do ranking do ano passado), além de Vitor Hugo, Ricardo Mário de Souza e Luís Gabriel Pereira Silva, os três primeiros do juvenil.

Tendências: