As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cielo fica com bronze e vê Manaudou soberano nos 50m livre

Demétrio Vecchioli

05 de dezembro de 2014 | 14h58

Cesar Cielo se acostumou a ser um nadador decisivo, daqueles que responde na piscina, nadando rápido, sempre que se sente desafiado. No Mundial de Piscina Curta de Doha (Catar), não foi assim. O brasileiro ficou apenas com o bronze nos 50 metros livre, prova mais aguardada da competição. Florent Manaudou, campeão olímpico, ganhou o ouro com recorde mundial – 20s26.

“O cara (Manaudou) nadou muito. Não tem muito o que fazer”, disse Cielo ao SporTV, depois da prova. Deixar de ganhar um título em um Mundial de Curta não tem qualquer peso no ciclo olímpico. O problema é o peso psicológico de saber que o seu maior rival está em uma fase como a de Manaudou.

O francês está sobrando. Em piscina longa, lidera do ranking mundial nos 50m livre. Na piscina curta, é o segundo 50m borboleta (prova que decidiu não nadar em Doha), bateu o recorde dos 50m livre e foi o mais rápido das semifinais dos 50m costas, também nesta sexta-feira. Se havia qualquer dúvida que Manaudou é o mais rápido do mundo, ela foi para o espaço com o título mundial.

Cielo vai ter que lidar com isso até o próximo confronto entre eles, no Mundial de Kazan (Rússia), no ano que vem. O tempo de 20s88, que deixou o brasileiro com o bronze, atrás também do italiano Marco Orsi (20s69) não reflete o momento de Cielo – ele pode ser bem mais veloz. Mas os 20s26 de Manaudou, ao que tudo indica, também não refletiriam.

“Não foi uma boa saída. Velocidade de saída não está muito boa”, lamentou Cielo, que teve a mesmo tempo de reação de Manaudou (0s63), mas saiu para a primeira braçada já bem atrás do francês. “Não fiz uma boa prova. Estou melhor do que esse tempo que eu fiz hoje (sexta)”, reforçou.

A torcida agora é que Cielo não entenda que o ouro deixou de vir por ele ter nadado o revezamento 4x50m medley, na quinta-feira. O Brasil precisa que seu principal nadador participe dos revezamentos no Mundial e na Olimpíada. A chance de medalha no 4x100m livre, com ele, é real.

Tudo o que sabemos sobre:

cesar cieloNatação