As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Classe Laser da vela pode virar “Torch” após disputa judicial

Demétrio Vecchioli

11 de abril de 2013 | 12h22

Rascunho do projeto, no site de Kirby Torch

Rascunho do projeto, no site de Kirby Torch

Não se assuste se uma tal classe “tocha” estiver no programa dos Jogos Olímpicos do Rio/2016. Isso porque, nesta quarta-feira, Kirby Torch, o designer que criou, no fim dos anos 1970, o barco Laser, decidiu que irá retirar de todas as empresas que constroem um dos veleiros mais populares do mundo a autorização para produzir o selo “Laser”. De agora em diante, os novos barcos serão chamados de “Torch”, ou tocha, em português.

Ao que tudo indica, o processo começou quando a principal empresa que fazia os barcos Laser parou de pagar royaltes para Torch. O designer decidiu entrar na justiça e, após uma série de etapas, agora escolheu retirar a autorização para produção do selo Laser.

Ainda não se sabe se a ISAF vai autorizar a mudança de nome, muito menos se o COI vai entrar nessa. Mas o projetista já avisou que os barcos antigos continuarão sendo aptos a competir contra os novos Torch. A mudança, pelo jeito, é só de nomenclatura.

Será que vem mais uma novela na vela?

Tudo o que sabemos sobre:

classe LaserRio/2016Torchvela

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.