As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Com equipe renovada, Brasil é 10º por equipes no nado sincronizado em Barcelona

Demétrio Vecchioli

22 de julho de 2013 | 15h46

Equipe brasileira de nado sincronizado

Texto meu para a AE

Assim como aconteceu na rotina técnica do dueto, a equipe brasileira de nado sincronizado não conseguiu manter a classificação com a qual avançou à final e terminou na décima colocação a rotina técnica no Mundial de Esportes Aquáticos de Barcelona, nesta segunda-feira. Nas eliminatórias, as brasileiras haviam avançado com a nona melhor nota.

Por ser uma um esporte muito técnico, em que as notas mantém-se constantes, o nado sincronizado tem resultados que variam muito pouco ano a ano. Assim, o Brasil comemora uma ligeira melhora em relação às duas últimas edições de Mundiais: havia sido 11º em Roma/2009 e 12º em Xangai/2011. Este décimo lugar é sua melhor participação na história, repetindo Melbourne/2007.

Na apresentação desta segunda-feira, a equipe brasileira somou 84.000 pontos, desempenho 0.600 pior do que nas eliminatórias de sábado. Na avaliação dos jurados, mereceu 41.800 em execução e 42.200 em impressão geral. Mesmo assim, o Brasil acabou ultrapassado pela Coreia do Norte, que terminou em nono. A meta de terminar à frente do México (11º), porém, foi alcançada.

“Outra vez nadamos melhor que nas eliminatórias, mas não sei por que a pontuação de todos está diminuindo à noite. Eu achei a nota da Grécia excessiva, mas essa é a minha opinião e este é um esporte subjetivo. Nadaram bem, novamente não cansaram e desenvolveram bem a rotina” analisou a técnica Maura Xavier, ao site da CBDA.

Como de costume, o ouro ficou com a equipe da Rússia, que somou 96.600 pontos e não teve a mesma folga de outros tempos. A Espanha terminou em segundo (94.400) e a Ucrânia em terceiro (93.300), seguidos de Japão, Canadá e Itália.

Diferente do que acontece na Olimpíada, quando é distribuída apenas uma medalha de ouro no nado sincronizado por equipes, nos Mundiais são duas: uma para rotina técnica, outra para a rotina livre. Nos Jogos Olímpicos, vale apenas a soma.

O Brasil compete em Barcelona com uma equipe renovada, formada por Luisa Borges, Maria Bruno, Jéssica Gonçalves, Maria Eduarda Micucci, Beatriz Teixeira, Pamela Nogueira, Giovana Stephan e Lorena Molinos. Estas duas últimas foram o dueto brasileiro, que terminou em 13º na rotina técnica do dueto, no domingo. As irmãs Gabriella e Daniella Figueiredo foram reservas do time.

Na terça acontecem as eliminatórias tanto do dueto quanto por equipes na rotina livre, uma de manhã, outra de noite (no horário local).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.