Copa Brasil de Vela tem vitória de Scheidt e mudanças na seleção
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Copa Brasil de Vela tem vitória de Scheidt e mudanças na seleção

Demétrio Vecchioli

12 de janeiro de 2014 | 18h55

Robert Scheidt mostrou que continua sobrando na classe Laser ao vencer, com campanha praticamente perfeita, a primeira edição da Copa Brasil de Vela, encerrada sábado em Niterói (RJ). Apesar da presença do britânico  Nick Thompson, vice-campeão mundial em 2011, o brasileiro sobrou na raia olímpica. Venceu sete das oito regatas da fase de classificação e só cumpriu tabela na medal race.

Ainda na Laser, grande resultado de Matheus Dellagnelo, de 25 anos, que terminou em terceiro, superando  Bruno Fontes, que acabou em quarto. A CBVela ainda não anunciou, mas tudo indica que Bruno e Robert continuarão tendo apoio dela para competições internacionais.

MUDANÇAS NA SELEÇÃO – Nesse sentido, a competição foi especialmente importante em duas classes. Na 470, Henrique Haddad, o Gigante, com o proeiro Bruno Bethlem, foi o melhor brasileiro da competição e deve entrar para a seleção. No ano passado, foi Geison Mendes quem competiu com apoio da CBVela, terminando em 23.º no Mundial da classe, com Gustavo Thiesen na proa.

Gigante, que nem foi ao Mundial, acabou em terceiro na Copa Brasil, que teve regata mista. A vitória foi de dois franceses e o segundo lugar de um casal argentino. Em quarto chegou Renata Decnop/Isabel Swan, enquanto Geison cruzou apenas em quinto, seguido de Fábio Pillar/Mathias Melecchi. Fernanda Oliveira está de férias e não competiu (Ana Barbachan brincou na Laser Radial).

Na 49er, outra novidade. Atrás só do britânico Dylan Fletcher, Dante Biachi cruzou em segundo com  Thomas Low na proa e terminou como melhor brasileiro. André Fonseca, o Bocheca, foi terceiro (com Mario Tinoco) e deve perder o posto na seleção brasileira.

Marco Grael, que vinha à frente dos dois com o proeiro Gabriel Borges, teve problemas na medal race e foi desclassificado. A CBVela ainda vai ter que se pronunciar sobre quem segue na seleção. É uma situação delicada, porque Marco é filho de Torben Grael, treinador-chefe da equipe.

MAIS RESULTADOS – A maior surpresa aconteceu na Finn. Jorge Zarif, campeão mundial adulto e júnior, foi desclassificado de uma regata por queimar largada, fez uma competição ruim, e acabou apenas em quarto, atrás de três britânicos (vale lembrar que a Finn é dominada por atletas ingleses). Bruno Prada foi o quinto.

De resto, tudo conforme esperado. Na 49er FX, vitória de Martine Grael/Kahena Kunze, medalhistas de prata no Mundial, superando a concorrência de dois barcos britânicos. Juliana Senfft/Gabriela Nicolino foi sempre pior que as três líderes e completou em quarto.

Na Laser Radial, uma holandesa, uma britânica e uma norte-americana ocuparam as três primeiras posições. Fernanda Decnop terminou em quarto, venceu a disputa direta com Odile Ginaid e deve continuar na seleção.

Nas RS:X, domínio absoluto de Patricia Freitas e Bimba, que venceram todas as nove regatas disputadas. Eles foram seguidos de Bruna Martinelli e  Albert Lopes.

Por fim, na Nacra 17, vitória do casal Clínio de Freitas/Claudia Swan, com 10 pontos de folga sobre os gaúchos Samuel Albrecht/Geórgia Rodrigues. Assim, devem ser os veteranos a compôr a seleção e disputar o Mundial de Santander, em setembro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: