As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Derrotas em Viña del Mar devem desacelerar evolução no rúgbi

Demétrio Vecchioli

20 de janeiro de 2014 | 16h01

O Brasil sofreu neste fim de semana, em Viña del Mar (Chile), a sua primeira grande derrota de 2014. Isso porque a seleção masculina de rúgbi sevens jogava para buscar uma vaga no Torneio de Hong Kong, que poderia dar uma vaga no Circuito Mundial da modalidade. Mas as derrotas para Chile e Uruguai frustram essa possibilidade.

O impacto das derrotas tende a ser grande. Isso porque o Brasil, que nunca participou deste Circuito Mundial, também ficará fora dele na temporada 2014/2015. Se conseguir evoluir nos próximos 12 meses, pode pleitear entrar na World Series (como chama o circuito) em 2015/2016, tendo apenas uma temporada para jogar contra os melhores do mundo antes dos Jogos do Rio/2016, para o qual tem vaga assegurada.

Ir a Hong Kong (em março) já seria um importante intercâmbio e teste de força para a seleção. Ainda mais se conseguisse vencer o torneio e garantir uma credencial para o Circuito Mundial da temporada que vem. Agora depende de convites para jogar alguma das nove etapas.

FICOU NO QUASE – Como expliquei na sexta-feira, o Brasil precisava vencer pelo menos um jogo da fase de grupos, contra Paraguai e Uruguai, para avançar ao quadrangular final. Logo na primeira partida, os paraguaios dominaram os brasileiros, mas levaram a virada por 7 a 5. Na sequência, vitória de 15 a 5 do Uruguai.

Depois, no domingo, a seleção brasileira precisava vencer pelo menos um jogo, contra Chile ou Uruguai (a Argentina, que jogava com time B, era café com leite, uma vez que tem vaga garantida no Circuito Mundial). Logo na primeira partida, sonora vitória chilena por 33 a 0. Em seguida, 19 a 12 para a Argentina, que vinha de derrota para os uruguaios.

Apesar da campanha ruim, o Brasil entrou em campo dependendo só de si para se classificar a Hong Kong. Precisava vencer o Uruguai e, assim, levar a melhor no confronto direto. Mas os rivais novamente foram melhores, conseguiram um try em cada tempo, e venceram por 14 a 7, com os brasileiros só descontando no finalzinho.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: