As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diretor da CBBoxe cobra comprometimento dos irmãos Falcão

Demétrio Vecchioli

27 de setembro de 2013 | 00h15

A Gazeta Esportiva.net fez muito boa entrevista com Otílio Toledo, diretor técnico da CBBoxe, publicada em vídeo nesta quinta-feira. Ali, o dirigente fala sobre uma série de temas importantes. O principal deles a ausência de Yamagushi Falcão no Mundial que começa no dia 11 de outubro em Almaty, no Casaquistão.

Os dois irmãos Florentino Falcão passaram a maior parte do ano se preparando para estrear no boxe profissional da AIBA, evento que por enquanto está suspenso. A previsão é que eles lutariam em agosto, depois em setembro, e a preparação para lutas amadoras acabou não acontecendo.

Toledo indica que os irmãos precisam se decidir. “Se eles se propõem a chegar a 2016, depende deles. Depende de eles, se querem chegar ou querer outro caminho. Aí não é com a gente”, diz o cubano. “Nós trabalhamos para ter bons resultados. A prova é que ganhamos o Continental (Pan de Boxe) sem eles. Contamos com eles, mas depende deles.”

O dirigente lembra que é muito diferente lutar como profissional, fazendo quatro lutas de 10 rounds por ano, e atuar como amador, sendo obrigado a lutar cinco vezes lutas de três assaltos num período de 15 dias. A preparação é muito diferente. Mais do que isso, é incompatível.

Toledo também deixou claro a situação de Adriana Araújo: “Ela não está mais no peso de 60kg (em que foi bronze em Londres). Está lutando 64kg. Ela também não é 75kg, que é a outra categoria olímpica. Na 75kg não a queremos”, diz ele. O “problema”, porém, pode ser solucionado se o boxe olímpico ganhar mais categorias do que as três disputadas em Londres.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: