As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Eduardo Santos volta à seleção para o Mundial e busca redenção após cinco anos

Demétrio Vecchioli

22 de agosto de 2013 | 16h14

Eduardo Santos

Texto meu para a AE

Depois de ficar a uma vitória de medalha de bronze nos Jogos de Pequim, Eduardo Santos vai ter uma nova chance de orgulhar seus pais. Se há cinco anos, ao perder para o suíço Sergei Aschwanden, ele chorou e pediu desculpas aos pais, diante das câmeras de TV, pela derrota, desta vez o brasileiro chega ao Mundial do Rio sem nenhuma responsabilidade. Atleta da Sogipa, de Porto Alegre, ele ganhou de última hora uma vaga na chave até 90kg.

Isso porque Tiago Camilo, titular absoluto da seleção brasileira e campeão mundial no Rio em 2007, sofreu uma lesão no ombro num treino segunda-feira e acabou cortado da delegação. Eduardo Santos, que já havia sido convocado para ser reserva na disputa por equipes, foi promovido para lutar também na chave individual.

“Eu soube da notícia de que lutaria o individual após uma reunião da comissão técnica, quando eles tomaram a decisão de como proceder após a contusão do Tiago. Fiquei bem triste pelo lado do Tiago, porque eu sei que ele é uma grande pessoa, um atleta fantástico e que fez tudo certinho para estar aqui. Por outro lado, claro, fiquei bastante feliz por mim e por ter a oportunidade de entrar no Campeonato Mundial, mostrar meu trabalho e que eu tenho meu valor”, contou Eduardo Santos.

A mudança de status dele abriu uma vaga na seleção, que ficou com Eduardo Bettoni. Chamado no ranking mundial de Eduardo Silva, o atleta do Minas Tênis Clube soube da convocação pouco antes da apresentação dos atletas e teve de correr para o Rio, onde se encontrou com o resto da delegação na manhã desta quarta-feira.

“Fiquei surpreso (com a convocação), claro. Mas para mim é excelente… Tenho um histórico muito bom em competições por equipes e gosto desse tipo de disputa. Infelizmente não foi do jeito que eu planejei estar dentro da equipe, mas pretendo substituir o Tiago muito bem, é um grande atleta, sou fã dele e de toda a sua história”, disse Bettoni, que ajudou o Brasil a conquistar a medalha de bronze por equipes na Universíade de Kazan, há um mês. Na ocasião, perdeu duas lutas e venceu só uma.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: