As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Finais do handebol europeu terão 10 brasileiras

Demétrio Vecchioli

13 de abril de 2013 | 18h19

Alexandra, melhor do mundo, ajuda a levar o Hypo à final

Alexandra, melhor do mundo, ajuda a levar o Hypo à final

O handebol feminino brasileiro estará muito bem representado nas finais dos principais campeonatos europeus. As semifinais terminaram neste sábado e o saldo é altamente positivo, com 10 brasileiras jogando as finais da Liga dos Campeões e da Recopa (o equivalente à Liga Europa no futebol).

Melhor do mundo, Alexandra fez cinco gols na vitória suada do Hypo (Áustria) sobre o Thüringer (Alemanha) por 24 a 22, neste sábado. A vaga veio porque no jogo de ida, na Alemanha, os dois times haviam empatado em 32 a 32.

O técnico da seleção brasileira, Morten Soubak, acompanhou o jogo pessoalmente na Áustria. Ele estava acompanhado do presidente da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), Manoel Luiz Oliveira, que foi negociar a renovação da parceria que vem dando certo com os austríacos. Estão no time a goleira a Babi, as pontas Alexandra e Fernanda, as centrais Ana Paula e Mayara, as armadoras Deonise e Karoline e a pivô Dara. Quase todas são titulares.

Segundo maior campeão da Liga dos Campeões – foram 13 finais – , o Hypo não conquista um título europeu desde a Recopa de 2004. A volta por cima pode vir de mãos dadas com o handebol brasileiro, em estratégia genial da CBHb.

Mas o Hypo não é o único time europeu que tem brasileiras. o Györi Audi, da Hungria, contou com dois gols de Duda para avançar à final da Liga dos Campeões mesmo perdendo por um gol do Oltchim (Romênia), na sexta. Na outra semifinal, jogo desigual em Liubliana. Mesmo em casa, o Krim Mercator perdeu de 27 a 19 do Larvik, da Noruega, e foi eliminado. Dani Piedade passou em branco.

Na final da Recopa, o Hypo vai enfrentar o Issy Paris, que venceu o Rostov-Don (Rússia) por 20 a 19, na semifinal deste sábado. A goleira brasileira Karen Gadelha está no elenco do time francês. Ela chegou a Paris para substituir Maysa, que foi para a Rússia no fim do ano passado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.