As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Joice vai bem, mas brasileiros completam 7 anos sem vencer em Mundiais de Luta

Demétrio Vecchioli

23 de setembro de 2013 | 13h21

Luta 2

Em Budapeste, o Brasil mostrou que segue sem evoluir absolutamente nada na luta masculina, mas que tem chances reais de conseguir uma medalha no feminino. Os cinco homens que disputaram o Mundial perderam logo na estreia. Joice Silva, porém, terminou em oitavo, a uma vitória da disputa pela medalha.

Um dado para mostrar quão crítica é a situação da luta masculina: desde 2006 o Brasil não venceu uma luta em Mundiais. E foram nada menos do que 22 participações, variando atletas, livre e greco-romana, peso… só derrotas.

A última vitória remonta de 2006. Na ocasião, Adrian Jaoude venceu um filipino. De resto, duas vitórias de Antoine Jaoude em 2003. Pelo menos neste século, foi só isso. É muito pouco.

No feminino o cenário é muito diferente. Joice Silva já está com 30 anos, mas está cada vez mais perto de beliscar uma medalha. Pela categoria até 59kg (não se sabe ainda se será olímpica), terminou em oitavo em Budapeste. Ali, venceu uma bielo-russa e uma cubana, mas caiu diante de uma atleta do Azerbaijão. Sua rival, porém, não chegou até a semifinal. Por isso, Aline acabou eliminada sem chance de repescagem.

Desde 2007 Joice disputou Mundiais todos os anos. Venceu sete lutas, perdeu nove. Sozinha, já dá um banho em todos os homens da seleção brasileira. No Mundial do ano passado, terminou em nono.

Mas Joice não está sozinha no bom momento da luta feminina brasileira. Aline Ferreira, de 26 anos, está no quarto Mundial. Em Budapeste, foi 24ª, derrotada logo na estreia da categoria até 72kg. Até agora, em Mundiais, tem duas vitórias e quatro derrotas. Foi décima em 2011 e 2012.

Lais Nunes estreou em Mundiais com vitória sobre uma húngara e o 13º lugar na categoria até 63kg em Budapeste. Gilda Oliveira foi 14ª na até 67kg.

No masculino, Adrian Jaoude (84kg), Juan Izidoro (94kg), no estilo livre, e Diego Romanelli (60kg) e André Feitosa (66kg), no greco-romano, além de Antoine Jaoude (120kg no livre), que foi ao Mundial com dinheiro do bolso, foram derrotados logo na estreia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: