As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Josi diz que implorou aos médicos para competir machucada

Demétrio Vecchioli

14 de fevereiro de 2014 | 13h19

Como o blog vem falando há duas semanas, Josi Santos competiu machucada nesta sexta-feira. Substituta de Lais Souza no esqui aerials estilo livre, a ex-ginasta, de 29 anos, já sofria há pelo menos um mês por conta da ruptura parcial do ligamento cruzado anterior do joelho. Após a prova em Sochi, em entrevista ao SporTV, admitiu que a situação era crítica.

“Foram duas semanas bem pesadas para mim, com ajuda de psicólogo, terapeuta, o pessoal do COB em cima de mim, dando aquele apoio.  Essa semana machuquei o joelho novamente, os médicos não estavam querendo me deixar competir. Pedi pelo amor de Deus para competir”, confessou a atleta.

A entrevista, aliás, teve um momento de vergonha alheia. O repórter do SporTV informou a Josi que ela ficou na 16.ª posição. Mas isso porque só competiram, na segunda descida, 16 atletas – outras seis já haviam avançado à final. Ela entendeu que ficou em 16.º entre todas as 22 competidoras. E dizia: “Não, não é possível. Não, é impossível. Deve estar errado”. E ele reafirmava que era verdade. Ninguém se entendeu até que, no final da entrevista, a produção interveio.

Mas a entrevista continuou. “Eu to pensando antes de descer há uns três dias. Muita coisa que passa na minha cabeça. Só queria fazer o salto direitinho e mostrar que Brasil não é só futebol”, comentou, antes de agradecer a força vinda da torcida. “Não foi fácil pra mim. A galera do Brasil estava aí, me levantou mais, me deu força para fazer o segundo salto bem feito.”

Josi chorou ao lembrar do apoio dos pais. Aos 29 anos, já ex-ginasta (é/era técnica de uma equipe de crianças no Pinheiros), nunca participou de grandes competições como ginasta. Mas chegou à Olimpíada de Inverno. “Esse sonho não era só meu. Era deles também. A vida inteira de atleta eles sonharam com isso, estou realizando o sonho deles e meu.”

Sobre Lais, manteve a fé de que a amiga vai se recuperar. “Foi muito difícil de estar aqui sem ela. Ela me deu uma força tremenda, pedindo pra eu vir. (Lais), quero que você se recupere logo, sua ogra, sua branquinha. Estamos junto para sempre. Estamos juntos até o final, lembra?”.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.