Judô brasileiro vai viver experiência na Olimpíada de Inverno
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Judô brasileiro vai viver experiência na Olimpíada de Inverno

Demétrio Vecchioli

17 de janeiro de 2014 | 07h00

Quinze judocas brasileiros vão viver uma experiência no mínimo diferente nas próximas semanas. Eles ficarão até o dia 6 de fevereiro em Sochi, cidade russa que receberá os Jogos de Inverno. A Olimpíada começará apenas um dias depois, o que permitirá que os brasileiros ao menos sintam o gostinho de uma experiência olímpica. Para a CBJ, porém, a ideia é levar os atletas para a “guerra”, ideia que me parece muito interessante.

“Alguns desses atletas saíram muito pouco do Brasil e precisam conhecer temperatura, ambiente diferente. Tudo isso faz parte da nossa atmosfera, pois disputamos campeonatos em todo o mundo. A culinária russa também não agrada ao paladar brasileiro, é mais uma barreira. Então, podemos considerar assim: estamos indo para a guerra, e na guerra a gente aprende bastante coisa”, explicou, via assessoria, o gestor de alto rendimento da CBJ, Ney Wilson.

Como vai utilizar esse camping para dar “casca” aos mais jovens da seleção, apenas um dos 15 convocados pela CBJ esteve em Londres: Érika Miranda. O restante do grupo é formado por atletas praticamente sem experiência em grande eventos.

“A ideia de levar os atletas mais jovens, à exceção da Érika (Miranda) – que se sente bem treinando fora com intensidade -, foi incluí-los num treinamento com diversos tipos de estilos de luta. A forma de lutar (russa) é bem diferente. Então, é preciso que esses atletas jovens se adaptem a este tipo de cenário, pois diversos países adotam esse mesmo estilo, especialmente no leste europeu”, avalia o dirigente.

Viajam: Gabriela Chibana, Nathália Brígida, Érika Miranda, Raquel Silva, Erika Ferreira, Bárbara Timo, Samanta Soares, Rochele Nunes, Eric Takabatake, Allan Kuwabara, Vinicius Leal, Eduardo Katsuhiro Barbosa, Gustavo Assis, Rafael Buzacarini e Gabriel Santos.

Apesar de ter definido a seleção brasileira por uma seletiva, em dezembro, a CBJ resolveu dar chances a atletas que não foram selecionados. É o caso de Eric Takabatake (até 60kg), Eduardo Barbosa (até 73kg) e Erika Ferreira (63kg). Todos bateram na trave na seletiva. Por outro lado, Renata Januário (até 78kg), Flávia Gomes (até 57kg) e Jéssica Pereira (até 52kg), também jovens jovens da seleção, não foram chamadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: