As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Léo de Deus e João Gomes não repetem tempos e ficam sem medalhas

Demétrio Vecchioli

31 de julho de 2013 | 20h16

Leonardo de Deus ao lado do campeão Chad Le Clos

Leonardo de Deus ao lado do campeão Chad Le Clos

A manhã do Brasil no Mundial de Esportes Aquáticos, em Barcelona, foi melhor do que a tarde. E isso se reflete no atual momento da natação do País. Pela manhã, todos os cinco brasileiros que nadaram as eliminatórias passaram à semifinal.

Mas, de tarde, quando aconteceram às disputas por medalhas, não veio nenhuma. Sintoma de um país que ainda precisa amadurecer para ter aquele “algo mais” que significa um lugar no pódio e uma posição melhor no quadro de medalhas. O passo para ter mais atletas chegando às finais está sendo dado.

A final mais aguardada desta quarta era de João Gomes Júnior, que foi para a baliza com o terceiro melhor tempo (27s05) nos 50m peito. Mas o brasileiro não conseguiu repetir a marca, não mostrou a gana necessária numa final de prova curta, e terminou apenas na quinta colocação, com 27s20. Se repetisse o tempo da semifinal, teria sido o quarto colocado. Mas com 27s04 ganharia o bronze.

Cabisbaixo, ele lamentou: “Não era para ser, não estava escrito ainda. É levantar a cabeça pra próxima e continuar trabalhando. Não deu para agora, batalhar para a próxima. Fico triste, meu tempo de ontem me deixava em quarto, a um centésimo do terceiro. Mas prova de 50 é uma caixinha de surpresa, tanto que a raia 8 pegou bronze. Vamos estudar o que deu errado para não acontecer de novo”, disse, em declaração reproduzida pela CBDA.

Já Leonardo de Deus, que não aparecia entre os favoritos para vencer os 200m borboleta, terminou na honrosa oitava posição. Na primeira final da carreira, ele forçou na primeira e na terceira passagens, em busca de um pódio, mas acabou faltando fôlego no final. Virou os 150m em quarto, mas terminou em oitavo, com 1min56s44. Foi o último porque tentou subir ao pódio.

“Nos últimos 50 metros perdi a posição do nado, as coisas não deram muito certo. Estou feliz não com o tempo, mas por ter entrado na final. Isso foi muito importante para mim, para a minha carreira. Mudei de técnico, de clube, estou feliz. Um passo de cada vez. Acho que estou no caminho”, disse o corintiano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: