Negros não chegam a 1% dos atletas em Sochi; Brasil tem segunda maior delegação
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Negros não chegam a 1% dos atletas em Sochi; Brasil tem segunda maior delegação

Demétrio Vecchioli

13 de fevereiro de 2014 | 06h00

Os negros representam apenas 0,95% dos cerca de 2.900 atletas presentes aos Jogos de Inverno de Sochi. Pelo menos é isso que indica um levantamento informal, feito pelo blogueiro, por meio de critérios subjetivos, a partir dos site dos Jogos. Não existe nenhum estudo oficial, nem qualquer formulário público em que os atletas presentes à Rússia informem seus tons de pele.

Desses 28 atletas, nada menos do que 18 são do bobsled, modalidade em que é necessária a combinação de força e velocidade para empurrar o trenó. Ali estão três canadenses, três jamaicanos, um alemão, uma holandesa, dois britânicos e cinco norte-americanas, além de três brasileiros.

Senão todos esses atletas, a maioria deles migrou do atletismo. É o caso, por exemplo, de Lolo Jones, estrela dos 100m com barreiras, e hoje reserva do time feminino norte-americano. Nos Jogos de Verão, é no atletismo onde existe a maior incidência de negros e mulatos.

Considerando que existia a possibilidade de inscrição de 169 atletas na modalidade, mais de 10% deles têm tom de pele negra, na avaliação do blogueiro. No restante dos esportes dos Jogos de Inverno são mais de 2.700 esportistas e apenas neve negros. Uma taxa de 0,3%.

Olhe a lista de atletas do skeleton ou do luge, modalidades semelhantes ao bobsled, mas que não é necessário o empurrão do trenó na corrida. Só há um negro, de Tonga. Também pode procurar no snowboard, no combinado nórdico ou no biatlo. Nada.

Encontrei apenas outros oito negros inscritos em Sochi. Três são da patinação artística (duas francesas, um alemão), um canadense do hóquei, uma russa do curling, um norte-americano da patinação em velocidade e uma togolesa do esqui cross country. Os demais são brasileiros: Josi Santos (esqui freestyle) e Jhonatan Longhi (esqui alpino).

Dos 28 negros em Sochi, cinco são brasileiros, uma delegação só menor do que a dos Estados Unidos, que tem um a mais. No total, 18 são originários de apenas quatro países americanos, enquanto oito, apenas, competem por nações europeias, que são enorme maioria em Sochi, com quase 2 mil atletas.

Uma única comparação: Holanda e França se enfrentam dia 5 de março em amistoso de futebol. Se entrarem em campo com o mesmo time que tiveram na última partida de cada time, serão sete negros entre 22 jogadores.

Com esses números, não é preciso o blogueiro escrever muito para que se tire nenhuma conclusão. Alguma coisa está errada. Se você concorda, comente ali na caixinha. E se encontrar algum erro no levantamento, também.

POR MODALIDADE:
Bobsled (18), Patinação Artística (3), Hóquei (1), Curling (1), Luge (1), Patinação em Velocidade (1), Esqui Cross Country (1), Esqui Alpino (1), Esqui Freestyle (1).

POR TIPO DE PROVA:
Bobsled/Luge/Skeleton (19), Patinação (4), Curling (1), Esqui (4)

POR NACIONALIDADE:
Estados Unidos (6), Brasileiros (5), Jamaica (3), Canadá (4), França (2), Alemanha (2), Togo (1), Rússia (1), Holanda (1), Grã Bretanha (2), Tonga (1).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.