Organização erra nas contas e ‘rouba’ medalha do filho de Hortência
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Organização erra nas contas e ‘rouba’ medalha do filho de Hortência

Demétrio Vecchioli

09 de março de 2014 | 23h39

Atualizada às 12h10

A ODESUR (Organização Desportiva Sul-Americana) esqueceu de contar as medalhas conquistadas neste domingo pelo Brasil nas provas de adestramento individual para montar o quadro de medalhas dos Jogos Sul-Americanos, que estão sendo realizados no Chile. As competições foram pela manhã e até o momento da publicação deste post, nenhum sinal das medalhas.

Não é tão difícil perceber o problema. Basta olhar duas coisas: a foto, acima, que mostra Leandro Aparecido da Silva (ouro), João Vitor Oliva (prata) e João Paulo dos Santos (bronze) recebendo suas medalhas e, aparentemente, ouvindo o hino nacional.

Depois, é só olhar a lista de todas as medalhas conquistadas pelo Brasil (aqui) e perceber que elas não estão na conta. Assim, o País tem 61, e não 58 medalhas, como mostra o quadro ao lado. Tem 29 de ouro, 12 de prata e 20 de bronze.

Ver mais: Brasil faz valer favoritismo e dispara no quadro de medalhas

O problema provavelmente é fruto de uma decisão tomada em cima da hora. De acordo com a CBH (Confederação Brasileira de Hipismo), não haveria entrega de medalhas para esta etapa da competição (Intermediária I) – afinal, em nenhuma grande competição há -, mas as regras foram mudadas antes da prova.

Isso só mostra como os Jogos Sul-Americanos, organizados pela ODESUR (presidida por Carlos Arthur Nuzman) ainda estão longe de ser uma competição séria. Não pode-se decidir o que vai dar medalha e o que não vai dar assim, totalmente a esmo. Também não pode-se cancelar uma prova como aconteceu hoje com o remo.

Tudo o que sabemos sobre:

hipismoJogos Sul-Americanos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: