As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os lados positivo e negativo das 7 medalhas no Mundial Júnior de Judô

Demétrio Vecchioli

29 de outubro de 2013 | 20h49

Judo medalha

A seleção brasileira sub-21 conquistou sete medalhas (seu melhor resultado de sempre) no Mundial Júnior de Judô, realizado até domingo em Liubliana, na Eslovênia. Dá pra ver do lado positivo, ou do negativo.

Positivo (1) – Foram sete medalhas. Qualquer país que queira ser uma potência num esporte tem que estar sempre revelando atletas de qualidade, que briguem pra ser o melhor do mundo. De sete, se um vingar e virar medalhista em Mundial adulto, ótimo.

Positivo (2) – Em 2009, em Paris, o Brasil ganhou três medalhas: ouro de Sarah Menezes e bronze de Mayra Aguiar e Rafaela Silva. Três anos depois, nos Jogos de Londres, Sarah e Mayra ganharam respectivamente ouro e bronze. Estamos há três anos da próxima Olimpíada. Rafaela vacilou em Londres, mas já é a melhor do mundo.

Positivo (3) – O Brasil tem um aproveitamento relativamente bom na passagem da base pro adulto. Já falei da Sarah e da Mayra, mas a Rochele Nunes foi bronze em 2006, o Rafael Silva e Ketleyn Quadros sétimos em 2006, Kitadai foi quinto em 2008, ano que Rafaela Silva foi campeã mundial e Eleudis Valentim ficou em quinto. Eleudis ainda seria prata em 2010. Dá pra ter esperança.

Positivo (4) – Alguns bons resultados vieram em categorias chave. Foi o caso de Gabriel Mendes, na 73kg e Henrique Silva na 90kg que podem pintar como substituto de Bruno Mendonça e reserva de Tiago Camilo, respectivamente, depois do bronze que ganharam. Gabriel já havia sido terceiro no Mundial Cadete de 2010.

Negativo (1) – O Japão. Algo precisa ser feito para as brasileiras aprenderem a vencer as japonesas. Na Eslovênia foram cinco lutas e quadro derrotas. É muita coisa. Flávia Gomes (57kg), Samanta Soares (78kg), Gabriela Chibana (48kg) e Sibilla Facchiolli (pesado) perderam e só Jéssica Pereira (52kg) venceu.

Negativo (2) – O Brasil levou três atletas da sua seleção adulta e todas elas decepcionaram. Gabriela Chibana perdeu da russa que foi ouro e terminou em quinto, Nathália Brígida caiu diante da romena que ficou com a prata, logo na estreia, e Flávia já encontrou de cara uma japonesa.

Todas as medalhas: pratas de Samanta Soares (78kg) e Jessica Pereira (52kg), bronzes de Sibila Faccholli (+78kg), Vitor Torrente (55kg), Ruan Silva (+100kg), Henrique Silva (90kg) e Gabriel Mendes (63kg).

O Brasil ainda teve: Gustavo Assis (81kg), Gabriel Pinheiro (66kg), Nicolas Santos (60kg), Ricardo Santos Junior (66kg), Gabriel Souza (100kg), Camila Barreto (57kg), Jéssica Santos (63kg) e Tawany Silva (44kg).

(A nota falava errado a medalha de Sibila. Corrigido. Valeu pelos leitores que avisaram!!)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.