As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Reportagem do Olimpílulas é premiada como melhor do ano no MMA

Demétrio Vecchioli

09 de janeiro de 2015 | 21h50

Pouco mais de um ano depois de estrear na plataforma Estadão (isso foi em 3 de dezembro de 2013), o Olimpílulas ganhou o seu primeiro prêmio, desses que a gente pode colocar na parede – outros tantos são intangíveis. O blog venceu a categoria “reportagem” do Prêmio Osvaldo Paquetá, que elege os melhores do MMA brasileiro. A premiação foi/está sendo nesta sexta à noite, em BH.

O leitor se perguntará: “Mas esse não é um blog de esportes olímpicos?”. É. Mas, no dia 18 de novembro (coincidentemente um dia antes da divulgação da lista de concorrentes ao Osvaldo Paquetá), o Olimpílulas publicou reportagem que mostrava que a Confederação Brasileira de MMA (CBMMA), presidida por Elisio Macambira, fraudou documentos enviados ao Ministério do Esporte para que atletas da modalidade recebessem Bolsa Atleta. Um dos beneficiados é o filho de Elisio, Jefferson, que sequer lutou no “Campeonato Sul-Americano de MMA”. Você pode reler aqui.

A matéria foi publicada no blog e também distribuída aos clientes da Agência Estado, que é o braço do Grupo Estado no qual eu trabalho. Dias depois, o Olimpílulas ainda mostraria que Elisio falsificou os documentos de outra confederação da qual é presidente, a de submisson, para beneficiar outro filho dele com Bolsa Atleta.

A votação do Prêmio Osvaldo Paquetá é popular e o blogueiro que vos escreve só pediu votos uma única vez, pelo Facebook pessoal, sendo atendido por meia dúzia de amigos e familiares. Ou seja: o prêmio foi dado como reconhecimento por pessoas ligadas ao MMA. Afinal, a reportagem mostrou quão séria (não) é a entidade que ganhou o direito de, supostamente, ditar as regras da modalidade no País.

O MMA nacional precisa de mais atenção da imprensa brasileira. E digo isso não pelos atletas e sim pelos dirigentes. Muitos eventos recebem uma injeção desproporcional de dinheiro público, repassado a organizadores profissionais por meios de contestáveis entidades “sem fins lucrativos”. Ao que tudo indica, porém, a farra dos convênios tem hora para acabar.

Um rápido PS: Que orgulho disputar um prêmio com meu amigo Maurício Dehó, do UOL. Aliás, vocês já leram o livro dele e do Bruno Freitas? O Em 12 Rounds? Leiam! Quem gosta de boxe não pode perder. E quem não gosta vai aprender a gostar. Dá pra comprar pelo site da editora.

Outro PS: Pô, pessoal do esporte olímpico. Vamos criar prêmios desses também. Tem muita gente boa escrevendo de esporte olímpico e que merece reconhecimento.  

Tudo o que sabemos sobre:

prêmio Osvaldo Paquetá