As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Resumão dos Jogos Sul-Americanos da Juventude – parte 2

Demétrio Vecchioli

01 de outubro de 2013 | 02h28

Na segunda parte do especial sobre os Jogos Sul-Americanos de Juventude, mais oito modalidades. Destaque para o badminton, em que o Brasil teve 100% de aproveitamento, e o judô, principalmente com Lélio Puggina, campeão da sua categoria com quatro ippons. Em negrito, os principais nomes.

Lohayny

BADMINTON – Duas vitórias brasileiras e nenhuma surpresa. Melhor do País de forma geral, Lohaynny Vicente (17) arrasou as adversárias sem dificuldade. Com um argentino, ganhou também duplas mistas. Ygor Coelho, de 16 anos, também fez o dever de casa sem dificuldades. Nas duplas, foi prata.

canoagemCANOAGEM – Diferente de outras modalidades, a canoagem teve atletas mais jovens, de 15 anos ou no máximo 16 anos recém-completados. As provas foram num formato diferente: um contra um.

O Brasil ganhou no caiaque (K1) masculino, com Gilmar Gomes. Na canoa (C1), Milton Luiz de Oliveira ficou com a prata perdendo de longe para um chileno. No feminino, prata para Mirian de Sousa Barbosa no K1. Na outra prova para meninas (C1), o Brasil não enviou representantes.

saltosSALTOS ORNAMENTAIS – Com os melhores do País treinando na China, o Brasil levou reservas. Isso numa modalidade em que já fica atrás da Colômbia regularmente. Tales Lourenço foi quarto colocado no trampolim e segundo na plataforma, bem atrás do colombiano campeão. O feminino só teve trampolim, com Giovana Accioly conquistando bronze. Ambos são paraibanos. Ele já tem 17 e ela completará em novembro.

JUDÔ – Levando o que tinha de melhor, o Brasil assim conquistou ouro com Thais Kondo (até 44kg) e Lélio Puggina (até 66kg), prata com Layana Colman (até 52kg), bronze com Leonardo Arruda (até 55kg). Lélio venceu com quatro ippons em pouco mais de 3 minutos. Layana vinha de medalha no Mundial Sub-18. Todos têm 16 anos.

pesoLEVANTAMENTO DE PESO – O Brasil levou apenas dois atletas para as surreais 11 medalhas distribuídas. Faturou prata com Yuri Pereira (16), que empatou no primeiro lugar (245kg) do peso pesado, mas ficou em segundo exatamente por ser mais pesado que o peruano campeão.

Aline Ferreira (até 53kg) também ganhou prata com 128kg. Detalhe: a venezuelana campeã levantou 171kg. Seria prata, ouro e bronze nas categorias mais pesadas. Aline, porém, acabou de fazer 14 anos.

LUTA – Também um caminhão de medalhas distribuídas. Na greco-romana, dois representantes. Raphael Conceição, que foi bronze na até 69kg, e Guilherme Dias, campeão na até 85kg.

Na luta livre, ouro para Rafael Crystelo (até 100kg) e bronze para David Silva (até 46kg). David Santos (até 63kg) terminou em quinto. Os dois xarás são amazonenses. Entre as mulheres, uma única representante: Fabiana Alcântara, medalhista de ouro até 70kg. Todos eles têm 16 anos, exceto David Silva, de 15.tenis de mesa

TÊNIS DE MESA – No masculino, Massao Kohatsu fez o dever de casa e, como favorito, venceu a chave de simples. Letícia Nakada, porém, perdeu na final feminina para uma peruana dois anos mais velha. Ela tem 15. Ele, 17.

VELA – Apenas quatro classes e nenhum grande resultado brasileiro. Na Laser, Clara Penteado foi quinta e Pedro Luis Correa terminou com a prata. Já na Techno (base da RS:X), Juliana Aguiar foi a quarta (de quatro competidoras) e Lucas Schulke acabou em quinto. Todos têm entre 15 e 14 anos.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.