As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Robson Conceição leva ouro sobre bi mundial e salva campanha ruim no Pan de boxe

Demétrio Vecchioli

22 Agosto 2015 | 17h04

O melhor boxeador amador da atualidade na categoria até 60kg é brasileiro. Líder do ranking mundial, Robson Conceição confirmou a boa fase para faturar o título do Campeonato Continental, realizado em Vargas, na Venezuela. Neste sábado, ele venceu o cubano Lázaro Álvarez por decisão unânime dos árbitros para garantir o único bom resultado do Brasil no Pan. De resto, foram mais duas medalhas de bronze e apenas quatro vagas no próximo Mundial.

Álvarez, vencido por Robson na final deste sábado, é o atual bicampeão mundial e dos Jogos Pan-Americanos. O cubano estava engasgado na garganta do brasileiro desde a final do Mundial de 2013. A revanche poderia ter sido no Pan de Toronto, mas foi adiada porque Robson não pôde participar desta competição. Ele está na AIBA Pro Boxing (APB), liga semi-amadora – perdeu quatro e venceu só duas lutas na temporada passada.

Além de Robson, com ouro, também Robenilson de Jesus (até 56kg) e Juan Nogueira (até 91kg) ganharam medalha em Vargas, de bronze. Robenilson, outro baiano que disputa a APB e por isso não foi a Toronto, chegou bem até a semifinal, mas não apareceu para lutar contra o dominicano Hector Luis, alegando indisposição. Juan Nogueira foi derrotado na semi pelo cubano Erislandy Savon.

De forma geral, o resultado do Continental acende o sinal amarelo para o boxe brasileiro. Apenas os três medalhistas e o peso super-pesado Rafael Lima (em quinto) conseguiram classificação para o Mundial de Doha (Catar), que acontece em outubro. Nas demais seis categorias, os brasileiros foram eliminados precocemente e, por isso, não terão a oportunidade de participar do Mundial, que vale como pré-olímpico.

O Brasil tem direito a cinco convites para os Jogos Olímpicos e precisa definir, depois do Mundial, em quais categorias irá utilizá-los – elas podem ser usadas apenas nas divisões de menor peso. Com menos atletas em Doha, são menos chances de medalha e de classificação para o Rio-2016.

Há dois anos, na última edição do Continental, o Brasil foi campeão geral, com um total de oito medalhas, sendo quatro de ouro. Dos nove brasileiros que foram para aquele evento, só Juan Nogueira não subiu ao pódio na ocasião – se machucou após uma vitória e não pôde voltar para lutar. Desde então, o boxe amador brasileiro só perdeu Everton Lopes, que se profissionalizou.

O resultado daquele torneio fez o boxe brasileiro acreditar que poderia ganhar até quatro medalhas no Rio-2016. Agora, entretanto, o cenário é muito diferente. Nos Jogos Pan-Americanos, o Brasil faturou só duas medalhas, ambas de bronze, com Joedison Teixeira e Rafael Lima, eliminados precocemente no Continental deste ano. Outra decepção no Continental foi o resultado de Patrick Lourenço, vice-líder do ranking mundial, que perdeu logo na estreia para um norte-americano.

Mais conteúdo sobre:

Boxe