As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Seleção permanente de badminton é escolhida com dois adolescentes

Demétrio Vecchioli

10 de abril de 2013 | 12h32

badmintonA Confederação Brasileira de Badminton divulgou nesta terça-feira a lista dos 10 atletas escolhidos pelo português Marco Vasconcellos para formar a seleção brasileira permanente da modalidade. A relação, que contempla cinco homens e igual número de mulheres, apresenta como principal nome Daniel Paiola e tem como novidade a presença de dois adolescentes.

Participaram da seletiva (com custos pagos do bolso) 14 homens e 13 mulheres, escolhidos a partir do ranking nacional e também por critério técnico. Marco Vasconcellos, que já havia feito trabalhos pontuais com a seleção, assumiu como treinador da equipe para o ciclo olímpico e teve cinco dias para avaliar os atletas no CT da CBBd, em Campinas.

Daniel Paiola, que chegou a ser número 62 do mundo, mas vem despencando no ranking mundial porque não joga desde outubro, lidera a lista. Alex Tjong (22 anos) e Luiz Henrique Dias dos Santos, respectivamente terceiro e quarto brasileiros no ranking mundial, também foram chamados. Hugo Arthuso, que disputou o Pan de Guadalajara, é o quarto nome. Completa a lista o garoto piauiense Francielton Farias, de apenas 16 anos.

No feminino, o Brasil não tem um grande nome que se sobressaia. Foram chamadas Yasmin Cury, Fabiana Silva, Paula Pereira, Ana Paula Campos e a garota Lohaynny Vicente, de 16 anos também. As ausências mais sentidas na seleção são de Luiz Eduardo Martinez, que é o segundo melhor brasileiro do ranking mundial, e Thayse Cruz, terceira entre as mulheres.

De acordo com a CBBd, a ideia é que os atletas disputem diversos torneios internacionais, somando pontos para o ranking mundial. Isso é importante porque coloca os brasileiros em melhores chaves na competições seguintes, aumentando a chance de somar mais pontos. E novamente deverá ser o ranking mundial a apontar os classificados para os Jogos do Rio.

O Brasil nunca teve representantes no badminton olímpico. Marco Vasconcellos, seu técnico, disputou três Jogos (de Sydney a Pequim), mas sempre caiu na primeira rodada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.