As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mirando 2016, treinadora separa Alison e Emanuel e cria Alison/Vitor Felipe

Demétrio Vecchioli

26 de julho de 2013 | 12h53

Alison e Emanuel

Texto meu para a AE

A técnica da seleção brasileira masculina de vôlei de praia, Letícia Pessoa, tem poderes soberanos para mesclar os jogadores e formar duplas da maneira como entender melhor. E ela decidiu que Alison e Emanuel não devem atuar juntos nas últimas etapas do Circuito Mundial. Em Long Beach, penúltima vez que jogam como dupla no Circuito, eles já estão nas quartas de final.

Letícia, que treinava a dupla antes de assumir o atual posto com a criação da seleção brasileira, no fim do ano passado, decidiu criar as duplas Alison/Vitor Felipe e Evandro/Emanuel para as jogar os Grand Slams de Moscou, Pequim e São Paulo e os Opens, – torneios de menor expressão -, de Vizag (Índia), Kampala (Uganda) e Durban (África do Sul).

A decisão, diz a técnica, vale apenas para a seleção brasileira. “Como Alison/Emanuel e Evandro/Vitor Felipe não têm mais chances de título no Circuito Mundial, resolvi mexer para dar mais experiência e motivação aos mais novos. Chamei os quatro para conversar e expliquei que não estava abrindo as duplas. Ninguém rompeu. É só para dar um maior amadurecimento aos garotos. Farei uma experiência, nada mais do que isso”, explicou ela, em nota oficial publicada no site da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

Alison/Emanuel não vem bem na temporada e aparece apenas no 15º lugar do ranking mundial, abaixo, inclusive, de Evandro/Vitor Felipe, que ocupa o 12º lugar. Emanuel está com 40 anos, terá 43 nos Jogos do Rio, e a CBV parece já pensar no plano B para Alison, um dos melhores atacantes do mundo e tricampeão do “Rei da Praia”.

Vitor Felipe, seu novo parceiro, tem apenas 22 anos. Defensor, ele tem quatro medalhas em Mundiais de base. Foi duas vezes medalhista de prata com Álvaro Filho no Mundial Sub-21 (2009 e 2010) e terceiro colocado com Marcus em 2011. Este ano, ganhou prata com Márcio Gaudie no Sub-23.

Evandro também é jovem (tem 23 anos) e será testado ao lado de Emanuel. Ao citar os Opens, a treinadora indicou que a nova parceria deve jogar estes torneios que, atualmente, estão sendo disputados pela quinta dupla da seleção. Nesta semana, por exemplo, Thiago/Oscar joga o Open de Anapa (Rússia), enquanto Alison/Emanuel, Evandro/Vitor Felipe, Pedro Solberg/Bruno Schmidt e Edson Felipe/Álvaro Filho (Ricardo está machucado) jogam o Grand Slam de Long Beach (EUA).

Opinião pessoal, que eu já havia dado aqui: não creio em Ricardo e Emanuel jogando no Rio. Como Álvaro Filho vem muito bem (foi eleito melhor jogador do Mundial) e Alison é o melhor atacante do mundo, tudo indica que uma hora ou outra os dois serão unidos. Afinal, o que vale é criar uma dupla para ser campeã no Rio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: