As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Acerto de contas

Fernando Faro

02 de dezembro de 2014 | 18h51

Ovacionado pela torcida após ser substituído no fim do jogo contra o Figueirense, Kaká deve ter visto passar pelos seus olhos um filme. O menino brilhante que deixou injustamente o São Paulo pela porta dos fundos em 2003 voltou mundialmente consagrado para acertar as contas com a história.

Talvez por uma espécie de preconceito às avessas – foge de todos os estereótipos do jogador de futebol, o que muitas vezes é desculpa para alguns carimbarem verdades na testa alheia -, Kaká encarnou a imagem do São Paulo freguês do arquirrival Corinthians numa época em que o Alvinegro era a melhor equipe do Brasil. Apesar do extraordinário talento que demonstrava, parte da torcida preferiu chamá-lo de “pipoqueiro”.

O resto é história. Kaká foi para o Milan por U$8,5 milhões – “preço de banana”, na precisa definição de Silvio Berlusconi -, desbancou Rivaldo e Rui Costa, virou lenda na Itália e chegaria à consagração máxima em 2007, quando foi eleito o melhor do mundo após levar o Rossonero nas costas no título da Liga dos Campeões. Kaká, inclusive, foi o único a bater Lionel Messi e Cristiano Ronaldo numa eleição da Fifa.

As muitas lesões e a má-vontade de José Mourinho impediram que as expectativas no Real Madrid fossem alcançadas e, após uma segunda passagem por Milão, o meia voltou ao Morumbi para enfim receber o pedido de desculpas que lhe era devido por parte da torcida.

Mesmo sem títulos, saiu aplaudido de pé e reconhecido como um dos grandes que vestiram a camisa do São Paulo. As lágrimas, dessa vez, foram de alegria.

E Kaká vai para os Estados Unidos com as contas acertadas com a história. Ela o devia isso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.