As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A resposta de Neymar a Cruyff: gols

Luiz Prosperi

26 de março de 2014 | 18h06

Neymar respondeu aos insultos de Cruyff com dois gols na vitória (3 a 0) do Barcelona em cima do Celta, nesta quarta-feira. Fez os gols, recebeu abraços calorosos dos companheiros de time e foi tomar banho, aos 30 minutos do segundo tempo. Um tapa com luvas de pelica no astro holandês.

Cruyff, venerado como um papa dentro do Barça, deitou falação contra Neymar dizendo que o craque brasileiro é um problema dentro dos vestiários. Tudo porque, aos 22 anos, teria salário bem mais alto do que cobras criadas como Iniesta, Xavi e outros que conquistaram tudo pelo Barcelona.

Uma das cabeças mais arejadas da história do futebol moderno, Cruyff pode ter lá suas razões. Mas suas observações já não são tão unânimes dentro do Barça. Ele havia se manifestado contra a contratação de Neymar, garantindo que nos vestiários não cabem dois chefes  – alertando que Messi é o chefe da turma. O holandês, aliás, não se bica com o ex-presidente Sandro Rosell, que se empenhou para trazer Neymar ao Barcelona.

O problema de Neymar, se é que ele tem algum problema dentro de campo, não é a diferença salarial. O craque ainda não completou um ano no Barça e o time joga em espaços curtos. Neymar gosta do jogo longo, de partir para cima dos beques. E não vai ser da noite para o dia que ele vai se encaixar com as peças mais nobres do time.

Neymar, com o perdão de mister Cruyff, tem um vasto horizonte pela frente para iluminar a Catalunha. Ele tem apenas 22 anos. Ao seu lado está Lionel Messi, um deus de azul e grená. Quando Neymar parar de jogar apenas para prestar reverências a Messi, vai ser difícil Cruyff arrumar um argumento contra o brasileiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: