As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Acabaram com a seleção brasileira

Safra ruim de jogadores, um técnico obtuso no comando, como Dunga, e a CBF assolada pela corrupção pulverizam sem piedade o time pentacampeão do mundo

Luiz Prosperi

10 de junho de 2015 | 23h53

Na época de Pelé, a seleção brasileira tinha Garrincha, Didi e um punhado de craques. Depois teve Tostão, Rivellino, Gerson e mais uma turma boa de bola. Mais tarde, no tempo de Zico, seus companheiros eram Sócrates, Falcão e outros imortais. Avançando umas décadas e Romário tinha Bebeto ao seu lado e outros caras bons de bola. Nos anos de Ronaldo Fenômeno havia Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho, Kaká e outra penca de valiosos jogadores.

Bom, estamos no início da “era Neymar’, o talento absoluto do futebol brasileiro que ensaia colocar a Europa aos seus pés com a camisa do Barcelona. Neymar reina no deserto quando veste a camisa da seleção. Ao seu lado, a pior safra do futebol do Brasil de todos os tempos. E, para completar, alguns técnicos obtusos como Dunga no comando.

De nada adianta apresentar as credenciais com dez vitórias em dez jogos, contando o desta quarta-feira diante de Honduras. Dunga tem de acender uma vela para Neymar. Até porque, mesmo tendo de vasculhar jogadores nessa seara de pernas de pau, ele vai lá e escolhe uns sujeitos como Casemiro, Fred, Douglas Costa, Fernandinho, Filipe Luiz… um pior do que outro.

Não é possível que, mesmo sem a fartura de antes, não tenhamos jogadores melhorzinhos que esses que enfrentaram Honduras em Porto Alegre. Aliás, quem ficou acordado até o fim do jogo? No Beira-Rio, apenas 22 mil torcedores pagaram para ver as almas penadas da seleção.

A sensação é de que o comando da CBF faz um enorme esforço para sepultar a seleção brasileira, em meio à crise de corrupção que assola o futebol no mundo. Não há menor identidade da torcida com este time de Dunga.

É com esses molambos que vamos disputar a Copa América, a partir desta quinta-feira no Chile. Talvez Neymar faça a diferença ao lado desse menino Firmino, este sim uma boa descoberta de Dunga.

Antes a seleção brasileira era um craque com a camisa amarela, hoje é uma camisa amarela sem corpo.

Tudo o que sabemos sobre:

DungaHondurasNeymarSeleção Brasileira

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.