As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cariocas 1 x 0 Paulistas

Luiz Prosperi

10 de setembro de 2010 | 21h40

A vitória parcial do Rio em cima de São Paulo na Copa de 2014 já era previsível. A Fifa, segundo o seu secretário-geral Jerome Valcke, elegeu a cidade carioca sede do sorteio das Eliminatórias do nosso Mundial. Em 2011, treinadores das grandes seleções e dirigentes de todos os continentes desembarcarão no Brasil para acompanhar o sorteio dos grupos e a definição dos jogos das seletivas de 2014. É o primeiro contato do mundo do futebol com a nossa Copa.

Valcke, de braços dados com Ricardo Teixeira, presidente da CBF, escolheu o Forte de Copacabana para a cerimônia do sorteio. Valcke e Teixeira se divertiram à beça com a definição do local da sede. Até se beijaram. Beijos de… Deixa pra lá. Felizes da vida. Os políticos do Rio também se esbaldaram com a decisão da Fifa. Alguns até ironizaram os paulistas.

E o Rio pode abocanhar ainda mais. Deve levar o IBC (centro de transmissão da televisão), que costuma reunir cerca de 5 mil profissionais de todo o mundo em único local. Gente em um movimento fabuloso nos hotéis, restaurantes e serviços da cidade. Um colosso.

Enquanto isso, São Paulo está às moscas. O Comitê Paulista para 2014 não tem unidade. Preocupados com as eleições de outubro, os governos estadual e municipal não têm nada a apresentar para a Fifa na tentativa de recolocar São Paulo no centro da Copa. Não fosse o Corinthians aparecer com o projeto do seu estádio em Itaquera, o deserto ainda seria bem maior. Os paulistas nada fizeram para atrair a Fifa. Parece que 2014 não tem a mínima importância.

E olha que a Fifa não pensa em abrir mão de São Paulo, cidade importante na corrida pelos lucros da Copa. A Fifa estima arrecadar cerca de US$ 3,6 bilhões com o Mundial do Brasil. São Paulo, avaliam os executivos da entidade, não pode de jeito nenhum ficar fora dessa rota dos milhões.

Os cariocas saíram na frente. Têm tudo para dar uma goleada nos paulistas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.