CBF comete crime com clássico às 11h e Corinthians vence
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

CBF comete crime com clássico às 11h e Corinthians vence

Jogo às 11h limita desempenho do Santos e time de Tite se impõe como mais forte favorito ao título do Brasileirão 2015

Luiz Prosperi

20 de setembro de 2015 | 14h09

Calor forte pode ser a desculpa para o rápido Santos virar uma presa fácil ao Corinthians no clássico deste domingo no Itaquerão. Em nenhum momento o time de Dorival Júnior conseguiu se impor pela velocidade na saída para o ataque, sua principal arma. Do outro do lado, prevaleceu a receita de Tite que prega troca de passes, infiltração dos meias Jadson e Renato Augusto, com suporte de Elias, e o fator casa.

Tudo isso não serve como justificativa para o crime que a CBF cometeu em Itaquera e vem cometendo neste Brasileirão 2015 com os jogos no horário das 11h. No período do inverno, nada a criticar. Mas, com este calorão, que tomou conta o País entre meados de agosto e agora em setembro, os miolos cozinham, as pernas não obedecem e o jogo fica ruim.

Para se ter uma ideia da dimensão desse crime da CBF, basta analisar a temperatura em São Paulo e Goiânia (Goiás 3 a 0 Joinville) neste domingo. Na capital paulista, 30 graus. Em Goiânia, 42 graus e umidade do ar baixíssima, a 9.9.

Vítimas dessa desfaçatez, os jogadores aceitam como gado se submeter ao calor desértico e vão a campo sem as mínimas condições ideais de jogarem o que podem jogar.

Enquanto isso, o movimento Bom Senso FC, que tanto barulho fez ano passado em defesa dos atletas, continua em silêncio sepulcral. Os líderes do Bom Senso refestelaram-se com os entendimentos com o governo federal por ocasião da aprovação do Profut e agora nada mais falam.

A CBF se limita a publicar uma pesquisa encomendada pelo Ibope com alta aprovação ao horário das 11h. Para a torcida é ótimo. Vai ao estádio de manhã e ainda tem o domingo livre. Não por acaso, o Itaquerão recebeu mais de 40 mil torcedores no clássico.

jadson

Quanto ao jogo, tirando as trapalhadas da arbitragem na hora do lance capital – o pênalti de Zeca em Vagner Love – tudo se transcorreu de uma forma normal. O Santos travado pelo calor e o Corinthians firme com a força de um time bem estruturado.

No caso do pênalti, o árbitro Flavio Guerra não viu a falta de Zeca em Love e foi alertado pelos auxiliares por meio da comunicação eletrônica. Expulsou errado o David Braz e não o Zeca, autor do pênalti. E arrumou como desculpa, a expulsão por reclamação. Ridículo.

Tão ridículo como a postura de Tite à beira do campo ao bater boca com David Braz que deixava o campo no ato da expulsão.

No frigir dos ovos, aproveitando a deixa desse calorão, bom lembrar que o Santos vai para o seu quinto jogo no próximo domingo às 11h e o Corinthians fez apenas o segundo neste horário matinal. A CBF que se explique.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.