As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Unificação dos títulos: golaço da CBF

Luiz Prosperi

14 de dezembro de 2010 | 00h34

Já era tempo de a CBF unificar os títulos brasileiros. Nada mais justo o reconhecimento aos campeões de todos os campeonatos nacionais, ou torneios, disputados desde 1959 quando o Bahia faturou a primeira Taça Brasil. Se a partir daquela data os clubes passaram a disputar competições fora de seus estados, então o melhor mesmo era legitimar os campeões.

Santos e Palmeiras, os maiores interessados nessa história, passam a ter oito títulos cada um. Nada a contestar. Os dois clubes dominaram a década de 1960 e os primeiros anos de 1970. O Santos conquistou seis campeonatos, entre Taça Brasil e Roberto Gomes Pedrosa. O Palmeiras mais quatro. Nos anos 90, o Palestra levou o Brasileirão por duas vezes. E o Peixe outros dois nos anos 2000.

São Paulo e Flamengo não devem ter gostado dessa nova arrumação da CBF. Os dois são donos de seis títulos do Brasileirão. Eram até então os maiores detentores do campeonato desde 1971 quando a competição ganhou esse status de âmbito nacional. Aliás os dois se dizem legítimos proprietários da famigerada Taça das Bolinhas, um troféu idealizado pela CBF para premiar o clube com cinco conquistas do Brasileirão.

Por falar na Taça das Boinhas, a CBF poderia acabar com essa história e inventar um outro troféu mais distinto. Poderia mirar no modelo da Fifa para a Copa do Mundo. Seria interessante idealizar uma taça de posse transitória daqui para frente. O primeiro campeão por três vezes, consecutivas ou não, ficaria com a posse definitiva da taça. E aí outra seria criada, e mais outra…

Deixando de lado a glória com o reconhecimento da CBF, ainda que tardio, os recordistas de títulos nacionais e outros menos agraciados não terão grandes benefícios. Poderão no máximo imortalizar jogadores e treinadores campeões, lustrar as velhas taças, inflar o orgulho de seus torcedores e virar tema de infinitas discussões nos botecos da vida.

Quer saber, o futebol precisa da polêmica. De hoje e de ontem. E de volta ao futuro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.