As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Chapéu de Pato no Corinthians e São Paulo

Atacante entra Justiça contra os dois clubes que correm risco de ver milhões de reais escorrerem pelo ralo, assim como Santos perdeu com Leandro Damião

Luiz Prosperi

13 de junho de 2015 | 15h41

Clubes brasileiros não se cansam em assinar atestados de incompetência. Jogam dinheiro fora como se dispensa um lenço de papel. Veja o caso do Corinthians, e por tabela, o São Paulo no caso da ação movida por Alexandre Pato. Os dois podem ficar na mão e Pato bater asas – sem trocadilho, por favor.

Pato alega na Justiça que não recebe o que rege seu contrato. Algo em torno de R$ 500 mil por mês de direito de imagem e mais R$ 300 mil de salários no regime da CLT. Juntando tudo, o atacante tem direito a R$ 800 mil. Esse valor é rachado meio a meio entre Corinthians e São Paulo, que pegou o jogador por empréstimo até fim deste ano.

Se a Justiça for favorável a Pato, ele rescinde o contrato com o Corinthians e, como consequência, anula o empréstimo ao São Paulo. Quem vai sair perdendo nessa história? Os dois clubes.

Prejuízo maior seria para o Corinthians por ter desembolsado R$ 40 milhões há dois anos para tirar Pato do Milan. O São Paulo amargaria a fortuna que já pagou de salários ao jogador sem retorno algum.

A exigência de Pato ainda se estende em cima do que ele teria direito até 2016, a bagatela de R$ 16 milhões, como indica a ação judicial em curso do jogador contra os clubes.

Diante desse processo fica claro que os dois clubes investiram errado e podem perder milhões no meio do caminho. A não ser que o São Paulo esteja por trás dessa trama para ter o jogador de graça. Pato, certamente, não está sozinho nessa empreitada. Tem carne debaixo desse angu.

O caso de Leandro Damião também escancara o desperdício. O Santos, junto de um grupo investidor, enfiou pouco mais de R$ 40 milhões na contratação do atacante do Internacional. Um ano depois, Damião caiu fora, foi para o Cruzeiro e conseguiu rescindir seu contrato com o Santos que ficou a ver navios – sem trocadilho, por favor.

É muita incompetência ou falta de apreço pelo dinheiro do clube. Pior disso tudo é que essas histórias tendem a se repetir.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.