As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Corinthians e Tite jogam pressionados no Brasileirão 2015

Desprezo à Copa do Brasil obriga time alvinegro a suar sangue para levar o título nacional

Luiz Prosperi

28 de agosto de 2015 | 21h46

Corinthians e Tite iludiram seus torcedores e vão jogar sob pressão até o fim do Brasileirão 2015. O engodo se deu na quarta-feira quando o treinador, com aval do comando do clube, optou por um time misto na decisão contra o Santos por uma vaga às quartas de final da Copa do Brasil, dentro do Itaquerão.

Essa opção por um time misto sugere um desprezo à Copa do Brasil e à derrota anunciada para o Santos, que tinha a vantagem de ter vencido o primeiro jogo por 2 a 0. E, pior, não foi compartilhada com os torcedores que foram em peso à arena – pouco mais de 37 mil pagantes – na ilusão de que Tite entraria com força máxima para fazer frente ao Santos.

Deu no que deu. O time caiu eliminado pela terça-feira vez em uma decisão mata-mata na sua nova arena. Quedas que viraram motivo de chacota dos torcedores rivais. Fora da Copa do Brasil, resta ao Corinthians o Brasileirão 2015. O treinador e dirigentes compraram uma pressão desnecessária. Vão ter de suar sangue para conquistar o título nacional e, se não der, pelo menos uma vaga na Libertadores.

Não precisava nada disso. Bastava encarar com seriedade o Santos na quarta-feira e, mesmo com a derrota, a torcida entenderia a luta do time pela sobrevivência na Copa do Brasil. Agora, não adianta lamentar, nem arrumar desculpas.

Por isso mesmo é estranho que Jadson, barrado na quarta-feira por um suposto edema, seja liberado três dias depois para enfrentar a Chapecoense. A lesão de Jadson pode ter sido um grande “migué”, como se diz na linguagem do futebol. Ele volta ao time ao lado de Elias e Fagner, poupados contra o Santos.

Tite se meteu numa enroscada sem a mínima necessidade. A torcida, até então encantada com as proezas do Corinthians no Brasileirão 2015, vai mandar a conta se o time não seguir firme na liderança até o fim. Alguém vai ter de quitar essa dívida. A conferir.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: