As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Corinthians respira, Santos em apuros

Luiz Prosperi

20 de fevereiro de 2011 | 18h46

Sinal de alerta no Santos. O time que encantava no início de temporada dá sinais de que alguma coisa saiu do eixo. Zé Eduardo e Maikon Leite, destaques nos primeiros jogos, foram parar no banco de reservas. Zé Eduardo já assinou com o Genoa e vai para a Itália no segundo semestre. E Maikon renovou seu pré-contrato com o Palmeiras.

Adílson Batista perdeu a mão nos últimos dois jogos. Neymar, com o físico baleado após o título Sul-Americano Sub-20, não jogou nada contra o Corinthians e Deportivo Tachira. O garoto deveria ter uma folga para voltar a respirar. O Santos começa a sair dos trilhos. Adílson diz que falta ainda um melhor condicionamento físico e jogadores como o lateral Jonathan (lateral), Charles (volante) e Ganso.

Bem diferente do Corinthians que, após a bordoada na Libertadores e o trauma com a despedida de Ronaldo, vai aos poucos encontrando o seu caminho. Venceu dois clássicos (Palmeiras e Santos) e achou um Liedson iluminado.

O São Paulo ganhou vida nova com a entrada de Lucas no time e a ousadia (?) de Paulo César Carpegiani ao escalar três velocistas (Lucas, Dagoberto e Fernandinho) no ataque tricolor. O Bragantino foi a primeira vítima dessa avalanche. O problema é que Dagoberto recebeu uma proposta daquelas irrecusáveis de um clube russo e o desfecho do negócio pode se dar ainda nesta semana. Sem Dagoberto, Carpegiani vai ter de arrumar um outro atacante para sustentar o esquema tático que deu certo na estreia. Bom lembrar que Rivaldo e Fernandão serão reservas neste time.

Quanto ao Palmeiras, mais dúvidas que certezas. Trata-se de um time que gasta um caminhão de suor para colher vitórias magras e empates sofridos. Valdivia voltou neste domingo no 0 a 0 contra o fraco Mogi Mirim e pouco acrescentou. A trilha não será nada fácil se os dirigentes não encontrarem um camisa 9 de alto quilate. Felipão já cobrou os dirigentes. Bateu pesado : “Pensar só em economia pode custar caro mais tarde. Se o Palmeiras quiser algo tem de investir.” O treinador está certíssimo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.