As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Janela aberta esquenta o Brasileirão

Luiz Prosperi

31 de maio de 2011 | 12h36

Janelas abertas no mercado de transferências de jogadores devem mexer e muito no mercado e, por tabela, no Campeonato Brasileiro. Clubes, ainda reticentes em buscar reforços fora do País, agora não têm mais desculpas. É comprar e escalar. Antes da liberação da Fifa e CBF, os ‘estrangeiros’ só poderiam atuar no início de agosto, após 14 a 15 rodadas do campeonato.

Diante da abertura da janela, dirigentes estão afoitos. Ninguém quer perder a chance de trazer um grande nome para seus times. A praça lá fora tem muita gente boa. Veteranos como o meia Zé Roberto, o zagueiro Juan, o atacante Grafite e até o volante Josué não são contratações complicadas.

O mercado ainda tem jogadores com idade boa para serem repatriados. Casos do meia Diego, ex-Santos, o volante Anderson (Manchester), Vagner Love, Jô (ex-Corinthians) e um punhado de bons nomes no leste europeu.

Dos que aguardavam a liberação, os clubes já marcam as datas para as estreias de Alex (Corinthians), Juninho Pernambucano (Vasco), Gilberto Silva (Grêmio), Miralles (Grêmio), Guilherme (Atlético-MG). E vem mais por aí.

Outra boa novidade para este início de campeonato é o lançamento de novas camisas dos clubes. O Corinthians apresentou a sua versão vinho. O Palmeiras resgatou as glórias de 1951 com mudanças no escudo e ainda voltou com a camisa branca no segundo uniforme. Empresas de material esportivo prometem novos lançamentos para breve.

O Brasileirão que começou morno tem tudo para esquentar. Atrações não faltam. Para dar um salto de qualidade, os treinadores poderiam copiar o modelo do Barcelona. Aliás, um jeito de jogar que já foi moda no futebol brasileiro, aquele de cinco estrelas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.