As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Liga de clubes do Brasil cresce e pode fazer uma revolução

Disputa pela transmissão da Primeira Liga continua intensa. TV Globo está de olho nesse movimento e pode entrar na negociação

Luiz Prosperi

10 de outubro de 2015 | 15h07

Criada por causa da insatisfação de clubes contra as federações estaduais, a Liga Sul-Minas-Rio caminha a passos largos para se tornar Nacional. Adesão de clubes de outros estados cresce e o assédio a Corinthians, Palmeiras e São Paulo tem sido constante.

De olho nessa que pode ser a grande revolução do futebol brasileiro, um movimento consciente dos clubes, a TV Globo já prepara uma proposta para transmitir os jogos do torneio que a Liga Sul-Minas-Rio criou nesta sexta-feira, tão logo ganhou o aval da CBF.

A Globo teme perder a prioridade de transmitir os jogos desse novo torneio, informada que foi sobre a negociação de Alexandre Kalil, ex-presidente do Atlético-MG e nomeado presidente da Liga, com outras emissoras em canais abertos (Record) e fechados (ESPN, FOX e Esporte Interativo).

Para entender como funciona essa Liga-Sul-Minas-Rio e projetar sua transformação para uma Liga Nacional de Clubes, é preciso lembrar que Grêmio e Internacional aderiram de imediato à formação da nova associação, assim como os catarinense Avaí e Figueirense, os mineiros Cruzeiro e Atlético-MG e os cariocas Flamengo e Fluminense.

No dia 13 de setembro, esses clubes criaram a nova associação que, de início, se chamaria de Liga Sul-Minas-Rio e foi batizada como Primeira Liga.

A associação cresceu de uma forma rápida e inesperada e já tem 15 clubes filiados:

Sul – Grêmio e Inter

Santa Catarina – Avaí, Figueirense, Criciúma, Joinville e Chapecoense

Paraná – Atlético, Coritiba e Paraná

Minas – Cruzeiro, Atlético e América

Rio – Flamengo e Fluminense

O Goiás já pediu sua filiação e pode ser o 16.º clube da Primeira Liga.

Com esse peso todo, os dirigentes dessa nova associação de clubes pressionaram a CBF a dar o aval para a formatação de um torneio que, de certa forma, referendaria a Liga. Marco Polo Del Nero se viu obrigado a dizer sim e cedeu cinco datas do calendário nacional para a realização do campeonato de tiro curto, previsto para os primeiros meses de 2016.

Entusiasmado com o aval da CBF e a procura das emissoras pela transmissão dos jogos, Alexandre Kalil e dirigentes da Primeira Liga tentam agendar reuniões com presidentes de clubes como Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Vasco e Botafogo.

A adesão dos clubes paulistas é viável, desde que não ferisse os interesses da Federação Paulista que paga uma boa grana para ter seus clubes no Paulistão.

Tudo é uma questão de dinheiro. Quem pagar mais leva.

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

CBFLiga Sul-Minas-RioTV GloboTV Record

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.