As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Muricy fez a diferença

Luiz Prosperi

30 de abril de 2011 | 18h29

Muricy Ramalho executou Paulo Cesar Carpegiani. Com uma alteração no intervalo do clássico, na tarde deste sábado, o treinador do Santos destruiu o esquema do São Paulo e levou seu time à final do Campeonato Paulista.

Nem foi uma tacada genial de Muricy, apenas uma mexida de quem é do ramo. Ao trocar o inútil atacante Zé Eduardo pelo zagueiro Bruno Aguiar, o técnico santista resolveu o jogo a seu favor. A defesa passou a ter três beques, o meio-campo se fortaleceu com Elano atuando mais de meia do que de volante. E ainda avançou Paulo Henrique Ganso para combinar as jogadas com Neymar.

Convenhamos, um time com Elano, Ganso e Neymar mais soltos é um aviso ao adversário: vem chumbo grosso aí. Alertado que um Tsunami se aproximava, Carpegiani não se moveu. Quando acordou, já havia levado dois gols. A viola, em cacos, estava no saco.

Muricy foi inteligente, mas tinha gente de qualidade no seu time. Carpegiani levou o xeque-mate. A seu favor, como desculpa, a falta de qualidade do seu meio-campo. Jean, Carlinhos Paraíba, Casemiro e Ilsinho, se vestissem a camisa do São Caetano, não seria um absurdo. Mas com a camisa do São Paulo a história é outra.

O Santos está na final do Paulistão porque agora tem um técnico de verdade e um time de ótimas peças. O São Paulo não é esse colosso que se imagina.

DE PRIMEIRA
“Mereço ser o melhor técnico do mundo”
Por José Mourinho, antes da eleição dos melhores da Fifa, em 22 de novembro de 2010.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.