As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Neymar dançou

Luiz Prosperi

23 de setembro de 2010 | 00h55

O Corinthians passou por cima de Neymar. Não tomou conhecimento do menino, foco de todos focos na Vila Belmiro, na quarta-feira à noite. Enquanto o mundo olhava para o garoto rebelde, Jucilei e sua turma tomaram conta do salão de festa santista. Com autoridade de quem pensa em ser campeão, eles golpearam com frieza. E de virada.

Essa foi a diferença entre Santos e Corinthians. Os donos da casa estavam preocupados em mimar Neymar. A torcida, os súditos das arquibancadas também. Se esqueceram de que do outro lado havia um adversário com credencial de campeão. Sem comando e à espera de uma jogada genial do menino prodígio, o time santista padeceu.

Foi uma dura lição aos dirigentes do clube que, para proteger sua cria, mandaram o chefe da casa embora. Neymar, inibido, até que fez o que estava ao seu alcance. Jogou ohando para o além. Não havia mais ninguém para contestar seus atos. A plateia acostumada a aplaudi-lo estava encabulada. Em vez da cobrança, concedeu o perdão. E foi embora da Vila com a sensação de que não vai ser fácil viver só de Neymar daqui para frente.

Jucilei, Iarley, Jorge Henrique… Bem, eles não tinham nada com isso. Tiraram Neymar para dançar. E roubaram a namorada do dono da festa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.