As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Neymar precisa de ajuda na seleção

O treinador sabe que basta armar um esquema na Seleção Brasileira em função de Neymar para acender a luz

Luiz Prosperi

14 de outubro de 2014 | 13h04

Desde agosto de 2010 Neymar é a única novidade da Seleção Brasileira. O protagonista. Com Mano Menezes, depois Felipão e com a volta de Dunga, o craque tem feito a diferença. Sem ele, o time do Brasil é um deserto.

Não fosse Neymar, e os três treinadores de plantão que comandaram a Seleção teriam amargado resultados ruins nos últimos quatro anos. A explicação é muito simples: nenhum deles enxergou ou enxerga a Seleção como essência e sim como efeito. Naquela base, se o Neymar estiver inspirado, amém. Se não, Deus nos acuda.

Nem Mano, nem Felipão e muito menos Dunga perceberam que é preciso formar um time e resgatar a patente do futebol brasileiro, do jogo bem jogado, bonito, criativo que nenhuma outra seleção do mundo apresentou.

De nada adianta apostar em um messias, é preciso ter um rebanho de qualidade. Quando Pelé surgiu, havia Didi e Garrincha, depois Gerson, Tostão e Rivellino. Quando Zico apareceu, Falcão, Sócrates e Júnior estavam na sua órbita. Quando Ronaldo Fenômeno despontou, tínhamos Rivaldo, Alex, Djalminha, Edmundo e depois Ronaldinho Gaúcho, Kaká e Robinho.

Por isso, Dunga precisa garimpar jogadores de talento e recuperar outros deixados de escanteio, como Paulo Henrique Ganso. E dar a eles a condição de protagonistas e não de mero coadjuvantes de Neymar.

A missão de Dunga passa por essa vertente. Esperar que todos os problemas sejam resolvidos por Neymar é cair no vazio e repetir os erros do passado recente. Mano caiu após perder o ouro olímpico em um dia que Neymar não brilhou. Felipão foi massacrado por 7 a 1 pelos alemães quando Neymar saiu da Copa abatido por Zuñiga.

Pedir a Dunga a formação de um time que jogue o futebol de excelência, o verdadeiro futebol brasileiro, é pregar no deserto. O treinador sabe que basta armar um esquema na Seleção em função de Neymar para acender a luz.

Contra o Japão nesta terça-feira, Dunga deixou Neymar na frente à espera do filé. O craque resolveu com quatro gols. O problema é quando Neymar for impedido de comparecer ao jogo. O que fazer? Não acredito que Dunga tenha a resposta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.