As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Palmeiras nunca vai deixar de ser grande

A hora é de agradecer ao Palmeiras os seus 100 anos de vida. O futebol brasileiro sem o Palestra Itália não teria o peso que tem hoje e perderia muito em paixão.

Luiz Prosperi

26 de agosto de 2014 | 12h25

O Palmeiras nasceu grande em 1914 naquele 26 de agosto e continua grande nesta terça-feira ao completar um século de fundação. Desde sua origem até hoje tem sido imponente como imortaliza seu hino, aliás um dos mais bonitos entre os principais clubes do Brasil. O Palmeiras não tem vocação para ser pequeno, apesar dos erros de gestão ao longo da sua história. Está no seu coração ser protagonista.

Um passeio rápido pela sua história escancara essa verdade. Qual foi o time que resgatou o orgulho do futebol brasileiro ferido de morte com a derrota para o Uruguai na Copa de 50? O Palmeiras, campeão da Copa Rio um ano depois, em 1951, quando derrotou grandes potências do futebol mundial.

Qual foi o time que teve a capacidade de desafiar o Santos de Pelé nos anos de 1960, impedindo aquele esquadrão do Rei a emendar um título atrás do outro? O Palmeiras da Academia. Qual o time que não teve piedade de impor ao seu maior rival a dor eterna de prolongar o jejum de taças que se arrastava desde 1954? O Palmeiras ao derrotar o Corinthians em 1974 no Morumbi com 120 mil torcedores – 90% deles corintianos.

Qual foi o time que entortou o São Paulo do mítico Telê Santana no início dos anos de 1990 quando o Tricolor ditava a moda e mandava no futebol brasileiro? O Palmeiras da era Parmalat com uma constelação de craques sob o comando de Vanderlei Luxemburgo. Aliás, o clube foi pioneiro no Brasil ao se associar a uma empresa estrangeira inventando uma nova gestão na retrógada política administrativa dos clubes.

Qual o time brasileiro com maior número de conquistas de campeonatos nacionais dos anos de 1960 para cá? O Palmeiras, que também colecionou fracassos retumbantes com direito a dois rebaixamentos à Série B em dez anos e se prepara para o futuro com um estádio de primeiro mundo.

O Palmeiras nasceu grande e nunca vai deixar de se grande. Jamais vai esfriar o sangue quente italiano que corre em suas veias. E vai caminhar forte para uma nova era quando passar a jogar no seu Allianz Parque, em fase de retoques para a habitar a nação alviverde.

Por tudo isso, a hora de agradecer ao Palmeiras os seus 100 anos de vida. O futebol brasileiro sem o Palestra Itália não teria o peso que tem hoje e perderia muito em paixão.

Em homenagem ao centenário do clube este blog se junta ao cântico da torcida: “Palmeiras, cem anos de histórias, de lutas e de glórias”.

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.