As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Santos estão atrasados

Luiz Prosperi

22 de novembro de 2013 | 11h51

Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Santos estão atrasados com o planejamento para 2014. Aliás, parece que não há um planejamento e sim aquela tradicional enrolação de fim de temporada quando os dirigentes, sem um orçamento real, correm atrás de empresários e investidores para reforçar os times. E, por tabela, viram reféns dessa ciranda de agentes.

O Palmeiras, por exemplo, é de longe o mais atrasado. Garantido na Série A há quase um mês, o clube anda a passos de tartaruga. Não quer renovar com Gilson Kleina, mas, parece, tem medo de dar um tchau ao treinador. Faz jogo de cena com a questão salarial propondo a Kleina menos do que ele já ganha por mês.

Por enquanto, prevalece o silêncio. O presidente Paulo Nobre e o diretor José Carlos Brunoro, a não ser que preparam uma tacada de ouro, perdem tempo e a cada dia ficam sem opções no mercado de treinadores.

Cuca já renovou com o Atlético-MG, Abel Braga está próximo do Inter de Porto Alegre, Tite parece uma ilusão, Ney Franco está quase laçado pelo Santos, e Marcelo Oliveira renovou com o Cruzeiro.

Quem mais tem por aí? Vanderlei Luxemburgo? É, pode ser. Não seria surpresa se o treinador aparecer de braços dados com Brunoro e Nobre no Palestra. Luxemburgo, porém, está inclinado a trabalhar fora do Brasil por pelo menos uma temporada. Mas, como ele tem muita identidade com o Palmeiras, vai que…

Quanto aos reforços e renovações de contrato, tudo é mistério. Algumas peças estão na mesa: os atacantes Gilberto, da Portuguesa, e Lins, do Criciúma; o veterano zagueiro Lúcio, do São Paulo, o lateral Joanathan, da Inter de Milão…

No Corinthians, a única certeza é a saída de Tite. Mano Menezes, seu eventual sucessor, aguarda um ok do presidente Mario Gobbi, outro que morre de medo para anunciar a contratação de Mano. Constrangedor.

Tite, por sua vez, faz papel de bobo ao pedir para ficar até a última rodada do Brasileirão. Preterido por Gobbi, já deveria ter ido embora há duas semanas.

Com Mano é certo que Douglas, Danilo, Emerson, Alessandro, Maldonado, Ibson e Fabio Santos não vão ficar. Quem vem? Mistério ou falta de opções? Uma coisa parece certa: Alexandre Pato será titular absoluto com Mano, quer a Fiel queira ou não. Pato fica, desde que não apareça uma proposta de cerca de R$ 40 milhões.

No São Paulo, Muricy Ramalho já soltou os cachorros cobrando agilidade dos dirigentes em busca de reforços. Os poucos jogadores bons que têm por aí já estão negociando com outros clubes, avisa Muricy.

E no Santos, a única certeza é que Claudinei Oliveira não fica. Ney Franco continua na pauta. De reforços, os dirigentes pouco falam.

Por tudo isso, é muito difícil acreditar que os quatro grandes do futebol paulista já elaboraram o planejamento para 2014. Sem caixa, os dirigentes ficam presos ao mercado e aos interesses dos empresários. Tem sido assim há séculos.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.