As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palmeiras é favorito ao título do Campeonato Paulista

Luiz Prosperi

28 de março de 2014 | 12h39

O Palmeiras é o favorito para levar a taça do Campeonato Paulista, mesmo diante da força ofensiva do Santos – dono de 43 gols em 16 jogos. Os dois times, com o perdão de Penapolense e Ituano, devem mesmo chegar à final neste domingo. Se insistirem de que pode aparecer uma zebra na decisão, aposto no Penapolense que já derrotou o Santos na primeira fase.

Quanto ao favoritismo do Palmeiras, algumas considerações: tem em Fernando Prass um goleiro experiente e em ótimo momento; Lúcio, seguro, se reinventou; Wesley é moto-contínuo, que dá a dinâmica ao time; Valdivia, enfim, assumiu o compromisso de fazer a diferença; e Alan Kardec, disparado o melhor atacante do futebol brasileiro entre os que atuam no País.

Se esses cinco jogadores chegarem inteiros na decisão, o Palmeiras já pode sonhar com o título.

Pesa contra o time na decisão do Paulistão o noviciado de Gilson Kleina no comando da equipe. Empolgado e, às vezes, deslumbrado com a chance de guiar um gigante de São Paulo, Kleina não pode errar no momento de armar a estratégia   para a final do campeonato.

Para beliscar a taça, Kleina tem de ficar atento ao que se passa nas beiradas do campo. Ele sabe que seu time é vulnerável nas laterais quando se tem de defender. Wendel e Juninho são bons apoiadores, mas fracos na marcação e ainda têm histórico de perder o equilíbrio emocional em jogos decisivos.

A missão de Kleina é dar suporte aos dois laterais, tanto no aspecto psicológico como na hora de montar o setor defensivo do time. O treinador não pode submeter Wesley a esse sacrifício de cobrir os laterais, sob pena de o time perder seu motor.

Bem estruturado lá atrás, tudo o que Kleina tem a fazer é deixar Valdivia, Wesley e Alan Kardec se entenderem.

Os que não concordam com esse blogueiro devem perguntar, e com razão, qual é o argumento para não colocar o Santos como o grande favorito. A resposta é simples: o time tem como alicerce os meninos. E meninos, nas grandes decisões, têm de provar que são homens. Tudo isso, evidente, dentro da alma do futebol.

Então, vamos lá: Palmeiras, campeão, e Santos, vice. Desde é claro que as zebras Penapolense e Ituano não resolvam aparecer. A conferir

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: