Palmeiras ganha um craque: Gabriel Jesus
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palmeiras ganha um craque: Gabriel Jesus

Garoto aparece na vitória diante do Cruzeiro e empolga torcida e dirigentes, que lamentam ter apenas 30% dos direitos econômicos do menino

Luiz Prosperi

27 de agosto de 2015 | 00h28

O melhor presente de aniversário do Palmeiras, na celebração dos 101 anos de fundação, veio da sua base. Gabriel Jesus, enfim, teve a chance de jogar uma partida decisiva como titular e, em pouco menos de 30 minutos, escreveu seu nome. Deu o passe, com toque inteligente, para Barrios marcar o primeiro e fez dois gols com o requinte de um projeto de craque nos 3 a 2 diante do Cruzeiro ainda no primeiro tempo em Minas.

Gabriel Jesus abriu o caminho sem volta para se tornar um ídolo de verdade da torcida palmeirense. O futebol que mostrou no Mineirão é a patente de um jogador talentoso. Nem é preciso mais ouvir aquela história de que ainda é cedo para jogar as fichas em cima do garoto. Ele só não vira craque se não quiser.

Canela fina, dois cambitos, meias arriadas, irreverência, destemido, sem medo de cara feia dos zagueiros grandalhões que aparece à sua frente, Jesus nem é mais um diamante a ser lapidado. Basta o Palmeiras acreditar nele e Marcelo Oliveira não se intimidar e escalar o garoto de titular no Brasileirão 2015 e Copa do Brasil.

Gabriel Jesus também poderia ser a redenção do clube, se a análise for em cima da questão financeira. Não faz um ano, o Palmeiras teve de fatiar os direitos econômicos do menino. Na divisão do bolo, ficou apenas com 30%. Os outros 70% estão nas mãos de investidores, empresários e da família de Jesus.

Mas, nessa altura do campeonato, que palmeirense está preocupado com isso? Ele quer mesmo é se deliciar com uma revelação da base que há muitas décadas o time não tinha.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: