Palmeiras não consegue recuperar jogadores lesionados
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palmeiras não consegue recuperar jogadores lesionados

Arouca, Zé Roberto, Robinho, Cleiton Xavier passam mais tempo na fisiologia do que no campo de jogo

Luiz Prosperi

04 de outubro de 2015 | 21h33

Chapecoense golear o Palmeiras não é normal. Assim como vexames retumbantes com as chacoalhadas que o time já sofreu para Vitória (7 a 2), Goiás (6 a 0), Mirassol (6 a 2) e outros perdidos na memória. Antes de passar a limpo a derrota deste domingo em Santa Catarina, é preciso uma explicação do comando do futebol sobre o departamento físico e de fisiologia do Palmeiras. Algo de estranho acontece nesses organismos.

Veja os casos de Arouca, Robinho e Zé Roberto. Três dos principais jogadores do esquema de Marcelo Oliveira não emplacam mais que três jogos seguidos. Robinho e Zé Roberto nem foram a Chapecó e Arouca saiu ainda no primeiro tempo da partida.

Esses três jogadores se machucam acima da média, sempre com lesões musculares e, quando voltam a jogar, sempre atuam no sacrifício. Parece que nunca entram em forma. Uma vez Valdivia fez duas críticas aos fisiologistas do Palmeiras. O chileno sabia do que estava falando, afinal de contas era um contumaz frequentador dos departamentos de recuperação física do clube.

aroucca

Outro exemplo do buraco negro da fisiologia do Palmeiras: Cleiton Xavier. O meia demorou quase três meses para entrar em forma e estrear no time. Quando passou a jogar com alguma regularidade, duas a três partidas, sofreu uma lesão há quase dois meses e até hoje não se tem notícia de quando Cleiton vai voltar a atuar.

As baixas constantes de jogadores importantes, que vão e voltam da enfermaria, complicam o trabalho do técnico Marcelo Oliveira, mas não servem como desculpa pelos repetidos erros que comete na armação do time.

Ele ainda não sabe como solidificar o sistema defensivo. Faz apostas erradas na zaga e nos volantes. Não entende que um time precisa de meias para funcionar. Não adianta dividir o time em dois segmentos.

Também não adianta ficar esperando que a força do ataque vai resolver todos os seus problemas. E toda vez que escala Egídio, tira o lateral no intervalo. Repetir erros é questão de falta de inteligência.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.