As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palmeiras paga com derrotas apoio de Nobre aos árbitros

Presidente divulga comunicado de desagravo aos árbitros e seu time, em 20 rodadas, não teve um pênalti a favor no Brasileirão 2015

Luiz Prosperi

23 de agosto de 2015 | 22h01

Paulo Nobre, presidente do Palmeiras, divulgou um comunicado na semana passada apoiando a arbitragem quando Atlético-MG e Flamengo se dirigiram à CBF pedindo providências contra árbitros que prejudicaram seus times. Não se sabe se a decisão de apoiar os juízes foi um gesto isolado de Nobre ou uma manobra de Alexandre Mattos e da diretoria de comunicação do clube.

O fato é que o Palmeiras foi derrotado pelo Atlético-MG muito por causa de um pênalti inexistente de Lucas em Giovanni Augusto. Aliás, o time de Paulo Nobre, em 20 rodadas do Brasileirão 2015, não teve nenhum pênalti a seu favor. Os árbitros erram contra e a favor a todas as equipes, mas nenhum clube saiu em apoio à arbitragem como fez Paulo Nobre.

Diante do gesto generoso do presidente do Palmeiras aos dirigentes da CBF que escalam e dirigem os árbitros, Nobre não tem mais como argumentar quando seu time for prejudicado, como neste domingo diante do Atlético-MG.

Não fosse só por isso, dentro de campo as coisas também têm se complicado. Os equívocos de Marcelo Oliveira se repetem jogo a jogo. E, após as partidas, suas análises têm sido sempre a seu favor e contra os jogadores.

Ao explicar a derrota neste domingo, Marcelo disse que o Palmeiras viu o Atlético jogar no primeiro tempo e depois, com as correções que fez com as substituições, o time equilibrou o jogo.

Estranho. Por que não começou o jogo com as “correções”? Se o time estava jogando errado, foi ele quem montou errado durante os treinamentos. A sensação é que Marcelo demora, e muito, para ler o jeito do adversário jogar. E, pior, corrige apenas no intervalo.

Outro problema grave do Palmeiras: o departamento físico e de fisiologia. As lesões musculares se repetem a cada semana e o tempo de recuperação dos atletas tem sido acima da média comparando-se com outros clubes.

Nessa semana, Arouca e Cleiton Xavier se lesionaram. Arouca deve ficar 15 dias fora, Cleiton de 40 a 50. Sem falar em Victor Ramos e Robinho, que voltou a jogar contra o Atlético depois de um bom tempo no estaleiro.

Será que Valdivia estava certo quando disse que o departamento de fisiologia do Palmeiras não existe?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: