Palmeiras vai sofrer na Libertadores
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palmeiras vai sofrer na Libertadores

Técnico ainda não está seguro nem sabe que caminho seguir. E alguns jogadores estão insatisfeitos com os métodos de Marcelo Oliveira

Luiz Prosperi

17 de fevereiro de 2016 | 00h21

marce

Marcelo Oliveira revirou o Palmeiras ao escalar três volantes diante do modesto River Plate. Deixou Thiago Santos plantadão lá atrás e adiantou Arouca (na direita) e Jean (na esquerda). Até aí tudo bem. Se protegeu e ganhou qualidade na saída ao ataque. Quando o time tinha a bola, essa engrenagem funcionou. Dudu e Erik se revezavam nas investidas rumo ao ataque á procura de Barrios e do gol.

A estratégia conservadora do treinador do Palmeiras deu certo no primeiro tempo quando o time abriu 1 a 0 de vantagem. Mas não deixou de vazar água no setor esquerdo com um garoto de 17  anos, Schiappacasse, partindo nas costas de Zé Roberto, 41 anos. Mesmo com três volantes no meio, nenhum deles socorria o velho Zé. Por ali, o Palmeiras sofreu e levou alguns sustos. Nada, porém, de anormal. O River é fraco.

No segundo tempo, Marcelo voltou com Gabriel Jesus no lugar de Erik, que havia feito um bom primeiro tempo. Depois tirou Barrios e mandou Alecsandro ao jogo. O time ficou mais assentado. Trocou mais passes. E de novo foi vítima da bola longa. Aliás, para ganhar do Palmeiras basta optar pelas bolas longas nas costas dos zagueiros. O Linense usou esse expediente no sábado e venceu. Em uma esticada, Schiappacasse sofreu pênalti de Prass e dali nasceu o empate do River.

Robinho entrou, o time passou a ter mais gente no meio e  chegou ao segundo gol, um belo gol com Gabriel Jesus. A vitória parecia certa. Aí, só para variar, o time de Marcelo sofreu um gol de escanteio. Não há meios de o técnico do Palmeiras organizar a marcação nas cobranças de escanteio. Defeito crônico da equipe.

Do empate por 2 a 2 fica a sensação de que o Palmeiras não sai do lugar. Marcelo, sem repertório, não encontra a saída. E alguns jogadores não escondem mais a insatisfação com os métodos do treinador. Assim, o time vai sofrer na Libertadores como já começa a sofrer no Paulistão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.