Ronaldinho Gaúcho vai embolsar R$ 29 milhões de Atlético-MG e Flamengo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ronaldinho Gaúcho vai embolsar R$ 29 milhões de Atlético-MG e Flamengo

Craque desiste de levar o futebol a sério e cobra dívida dos clubes

Luiz Prosperi

19 de fevereiro de 2016 | 23h14

rona

Ronaldinho Gaúcho é um fenômeno, daqueles difíceis de serem explicados. Poderia estar ali nos calcanhares de nomes sagrados como o de Pelé e Maradona, com tempo suficiente para guardar Ronaldo e Messi no bolso. Talento ele sempre teve. Mas pouco se sabe os motivos que o levaram a desistir de levar o futebol a sério pouco antes da Copa do Mundo de 2006.

Em vez de continuar com sua arte de encantador de serpentes, optou por levar a vida na toada imortalizada por Zeca Pagodinho no “Deixa a vida me levar, vida leva eu”. Desde que voltou ao Brasil para defender o Flamengo, entre 2011 e 2012, tudo o que tem conseguido é amealhar milhões de reais com pouco retorno no campo.

No Flamengo conquistou um campeonato carioca e deixou de receber do clube a bagatela de R$ 55 milhões. Cobrou o papagaio dos dirigentes e foi parar na Justiça. E se deu por satisfeito em receber R$ 17 milhões, em 11 parcelas – a primeira no valor de R$ 5 milhões e mais dez de R$ 1,2 milhão.

Deixou o Flamengo e foi para o Atlético-MG. Em Minas ajudou o Galo a conquistar sua primeira Copa Libertadores e saiu do clube após desavenças com então treinador Levir Culpi. No acordo para romper o contrato teve direito a R$ 12 milhões, dinheiro que está perto de receber.

Então somando as dívidas de Flamengo e Atlético-MG, Ronaldinho Gaúcho tem direito a levar R$ 29 milhões limpinhos na mão. Bom lembrar que depois de passar pelo Galo, ele foi jogar no México e de lá trouxe mais R$ 4,6 milhões do contrato com o Querétaro.

Dinheiro, desde que assombrou os europeus no PSG e depois Barcelona, nunca foi problema para Ronaldinho Gaúcho. O duro mesmo é que ele desistiu do futebol bem mais cedo que o mundo esperava.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.