As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

São Paulo sem culpa no vexame do Corinthians

Luiz Prosperi

16 de março de 2014 | 18h34

O São Paulo não quis vencer o Ituano e o Corinthians também não quis derrotar o Penapolense. Dois gigantes sem fibra e se arrastando pelo campo no quente interior paulista e no alagado Morumbi. Parecia até que os dois haviam combinado não jogar nada neste domingo.

Pior para o Corinthians, que não conseguiu nem sequer avançar à fase de mata-mata do Campeonato Paulista. O time precisava da vitória, sem se preocupar com o resultado do São Paulo. E quem tem necessidade de vencer, tem de se entregar até a última gota de suor, se matar em campo. Não foi o que se viu em Penápolis.

Encontrar culpados não é a missão nem a proposta desse blogueiro. Mas cabe uma explicação: Mano Menezes demorou muito para mexer no time diante do Penapolense. A equipe do interior, já classificada, não tinha o menor interesse em impor um ritmo frenético ao jogo. Entrou para cozinhar e beliscar o gol em um erro do adversário.

Mano usou três volantes a maior parte do jogo. Deixou apenas para Jadson a tarefa de armar o ataque quase inexpressivo neste domingo com o indolente Romarinho e o assustado Luciano.

Mano só percebeu que tinha de fazer alguma coisa para reverter a situação lá pelos 15, 20 minutos do segundo tempo, quanto trocou os inoperantes Bruno Henrique e Fabio Santos por Renato Augusto e Uendel. Com essas mexidas, o time criou coragem e foi para cima. Mas, já era tarde.

A favor do Corinthians quase nada, apenas a reclamação de um pênalti em cima de Uendel não anotado pelo árbitro. Aliás esse pênalti pode despertar mais uma vez a teoria da conspiração de que as forças ocultas do futebol não queriam o Corinthians na fase final do Paulistão.

Tudo isso é muito pouco diante do tamanho do Corinthians. Mano Menezes reclamou de que seu time não teve nenhum pênalti a seu favor no campeonato e colocou o dedo na ferida quando disse que o Corinthians passou seis rodadas sem vitórias. Só não explicou os motivos dessa prolongada carestia.

Mano disse mais: ninguém quis fazer a reformulação no time antes de ele assumir. Coube então a ele reformular o grupo em pleno campeonato. Daí o preço alto que se pagou.

A duplicata é mais alta. O comando do Corinthians vem errando desde meados do ano passado. E a gota d’água foi a invasão ao CT quando o clube ficou ainda mais refém da banda podre de sua torcida.

Quanto ao São Paulo, o entrega ou não para o Ituano, vamos parar por aí. Os jogadores do Tricolor não iam mesmo se empenhar. Jogariam para o gasto. E foi o que fizeram. Perderam com dignidade, se é que alguém perde com dignidade

A conta da não classificação do Corinthians não pode ser paga pelo São Paulo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: