As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tite perdeu a mão no Corinthians

Luiz Prosperi

29 de setembro de 2013 | 19h15

Tite perdeu a mão no Corinthians há um bom tempo. A goleada sofrida para a Portuguesa neste domingo deixou clara essa evidência. Ao insistir nos trintões como alicerce de seu time, Tite correu um risco desnecessário. Em algum momento, ao longo da exaustiva temporada no Brasil, eles abririam o bico.

Doulgas, Danilo e Emerson, que enfrentaram a Portuguesa, Alessandro e Fábio Santos, em outros carnavais, há um bom tempo não respondem dentro de campo.

Há ainda uma certa intolerância com Alexandre Pato. Parece que o grupo não concordou com a chegada do atacante, por quem o Corinthians pagou uma fortuna e ainda desembolsa um polpudo salário. O ciúme é claro.

Tite não arruma um lugar para Pato no time, mas tem toda a paciência do mundo com Emerson Sheik. E, por tabela, destruiu Romarinho ao fazer do atacante atrevido um meia comum de marcação. Romarinho vai e volta com tanta frequência que, ao chegar na grande área, não tem força para chutar ao gol.

Diante da Lusa, neste domingo, Tite também fez tudo errado. Não entendeu que deveria reforçar a marcação no setor esquerdo, uma avenida nas pernas trêmulas do garoto Igor. Quando Tite acordou, jogou Danilo por lá e o trintão abriu o bico.

A Portuguesa fez três gols com enorme facilidade no primeiro tempo. No segundo, Tite voltou sem o zagueiro Paulo André e Igor, os responsáveis pela marcação no setor esquerdo da defesa. Improvisou Ralf de zagueiro e Josinei, volante de origem, em um lateral-esquerdo.

Tite ainda recuou Douglas, um meia de pernas cansadas, para jogar de volante. Atitude que era um convite ao contra-ataque da Lusa. No primeiro que encaixou, Gil deu uma cotovelada no atacante da Portuguesa e foi expulso.

O Corinthians perdia seu único zagueiro e virava um time de ninguém. Por covardia ou medo, a Lusa não partiu para uma estrondosa goleada. Trocou passes, fez o quarto gol e, talvez com piedade, abdicou de enfiar mais dois a três gols.

Sorte de Tite. O treinador, como este blogueiro já havia alertado, não vai resistir a mais essa tempestade. De nada adianta o presidente Mario Gobbi bancar Tite. O sonho da Libertadores 2014 virou pó. A realidade agora é lutar contra o rebaixamento.

Tite sabe como ninguém que não vai fazer esse Corinthians voltar a jogar bola.

PARA LEMBRAR

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: