Anderson e seus desafiantes no UFC

fabiolopes

29 de julho de 2012 | 18h55

A queda pela segunda vez do falastrão Chael Sonnen abriu um grande buraco na categoria dos médios do UFC. Sem nenhum nome de expressão destacando-se no topo da fila, ninguém crava quem será o próximo adversário do campeão Anderson Silva.

 anderson-tassomarcelo-ae_1.jpg

Na disputa para preencher esse espaço vazio, lutadores e seus empresários travam uma verdadeira batalha para conquistar a oportunidade. Assim, não param de pipocar especulações e nomes na imprensa.

Entre os mais conhecidos do publico estão Michael Bisping, que já perdeu para Sonnen, e Rashad Evans, que – após derrota para Jon Jones entre os meio-pesados-, desceria de categoria para enfrentar o brasileiro campeão.

Outros não tão famosos também se escalaram para a disputa. São os casos de Chris Weidman e Hector Lombard. O primeiro nunca perdeu, com nove vitórias no cartel. O segundo é mais rodado, tendo já conquistado cinturões em eventos menores. Mas, como o próprio empresário de Anderson Silva falou, é preciso muito mais que ser um bom lutador para enfrentar o campeão.

Entre os candidatos, dois nomes escolheram um caminho diferente para, no futuro, conquistarem a chance de desafiar o campeão. Nomes de peso entre os médios, Alan Belcher e Vitor Belfort se enfrentam no UFC153, que será realizado no Rio de Janeiro, em outubro.

Recuperado da lesão na mão esquerda que o afastou da luta contra Wanderlei Silva, no UFC 147, Vitor já disparou: “Acredito que quem vencer terá todas as condições de desafiar o campeão”.

Se vencer, Belcher carimba em seu cartel uma conquista importante contra um nome de peso na categoria. Caso contrário, um novo confronto entre os brasileiros deve ser inevitável.

Para o público acostumado a ver o Anderson Silva brilhar no octógono, a luta contra Rashad Evans deve ser mais atrativa no momento. Porém, a verdade é que, motivado, o brasileiro deve seguir por um bom tempo com seu cinturão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.