Mais do que vitórias, brasileiros mostram maturidade no UFC em Londres

fabiolopes

17 de fevereiro de 2013 | 14h24

O saldo do UFC em Londres foi positivo para o Brasil. Apesar da derrota do carioca Jorge Santiago para o islandês Gunnar Nelson, outros dois lutadores nacionais não decepcionaram e, além das vitórias, demonstraram maturidade no evento, com boas estratégias traçadas e uma evolução técnica animadora.

[galeria id=5861]

Na Arena Wembley, o atual detentor do título interino dos galos, Renan Barão, mostrou que será um adversário perigoso na luta pela unificação dos cinturões da categoria no confronto contra Dominick Cruz, que se recupera de lesão.

Seguindo a característica da equipe Nova União, capitaneada por Dedé Pederneiras, Barão entrou no octógono com uma estratégia muito bem traçada no confronto contra o perigoso norte-americano Michael McDonald. Na trocação, ambos revezaram bons momentos. Mas, no combate programado para durar cinco rounds, o potiguar recebia e assimilava boas orientações do seu treinador e voltava a cada cinco minutos ainda melhor.

Comandando as ações, Barão não negou suas origens e calou mais uma vez os críticos da eficiência do jiu-jitsu no atual MMA. No quarto round, ele mostrou a importância de estudar e treinar até a exaustão as técnicas da arte-suave.

Com perfeição e eficiência, o potiguar derrubou, conduziu o adversário ao erro, fez uma boa transição e encaixou o katagatame. Com paciência e sabedoria, travou com sua perna direita o quadril de McDonald, evitando a rotação para escapar do golpe, e ajustou aos poucos o estrangulamento. Assim, foi só esperar os tradicionais três tapinhas que encerraram o combate.

Apesar de assumir ser funcionário do principal evento de MMA do planeta e aceitar outro combate para defender o título interino, Barão não escondeu a vontade de enfrentar Dominick. E, por toda a eficiência demonstrada no octógono, ele deixou a categoria atraente para quem acompanha o esporte, tanto quando os penas, com José Aldo; os leves, com Ben Henderson; os meio-médios, com Georges St-Pierre; os médios, com Anderson Silva; os meio-médios, com Jon Jones; e os pesados, com Pezão, Cigano e o campeão Cain Velazques.

Força do Ceará. Após perder para Serginho Moraes entre os médios e descer de categoria, Renée Forte finalmente conseguiu se encontrar no UFC, conquistando sua primeira vitória no evento. E o adversário do nosso representante do Ceará não era um saco de pancadas. O inglês Terry Etim é conhecido por suas habilidades em pé e seu perigoso jogo de chão, afiado pele seu treinador brasileiro de luta livre Marcelo Brigadeiro.

Apesar de começar a luta como azarão, o brasileiro reverteu o jogo e não deu chances para os perigosos golpes do inglês. Focado na luta e com uma estratégia bem montada, Renée comandou as ações, acertou socos potentes, montou no adversário e mostrou que merece disputar o principal evento de MMA do planeta. Agora é esperar para ver quem será o próximo adversário entre os leves.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.