Brasileiros seguram liderança e sobem na classificação geral do Campeonato Mundial de Rally Cross Country no Catar

Brasileiros seguram liderança e sobem na classificação geral do Campeonato Mundial de Rally Cross Country no Catar

Ricardo Ribeiro

25 de fevereiro de 2019 | 09h00

Tudo bem? Antes de mais nada, uma excelente semana pra você, fã de velocidade e poeira! E chegam mais notícias boas do Catar, onde está rolando a primeira das cinco etapas do Campeonato Mundial de Rally Cross Country.

Os brasileiros Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, da equipe Monster Energy Can-Am Team, completaram as duas baterias nessa segunda-feira e conseguiram segurar a liderança entre os UTVs. A temporada só termina em outubro.

E mais: subiram para sétimo na classificação geral, entre todos os competidores. Na frente deles, apenas carros potentes da categoria T1, que são verdadeiros canhões.

Para se ter uma ideia da diferença entre o carro do líder Nasser Al Attiyahuma Toyota Hilux, a velocidade média na primeira etapa hoje foi de 101, 39 quilômetros por hora. Varela e Gugelmin, com um UTV Can-Am Maverick X3, fizeram 75,74 km/h. 

O primeiro trecho teve 227,99 quilômetros cronometrados, e o segundo 121,41. O Mundial no Catar terminará amanhã.

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin estão disputando o Campeonato Mundial de Rally Cross Country no Catar com um UTV Can-Am Maverick X3. Foto: MCH

Varela e Gugelmin estão correndo com um UTV Can-Am Maverick X3 e lideram com folga na classificação geral da categoria, com mais de 2h30 sobre os vices, os russos Fedor Vorobeyev e Kirill Shubin, também de Can-Am (resultados abaixo).

“Hoje tivemos um dia bem tranquilo. O UTV está inteiro e não furou pneu, diferentemente dos outros dias. Como estamos com uma vantagem muito grande, optamos por adotar a cautela e evitar erros ou quebras”, afirmou Reinaldo Varela. Hoje a dupla brasileira terminou em terceiro lugar entre os UTVs.

Gustavo Gugelmin destacou a navegação difícil e a fome. “Aqui no Catar a navegação é tradicionalmente difícil, mas o que pegou hoje foi a fome. Chegamos morrendo de fome. Esquecemos de levar nossas barrinhas de cereais e os chocolates”, falou o navegador brasileiro.

Nesta segunda-feira foram duas provas cronometradas, uma com 227,99 e outra com 121,41 quilômetros. A sexta e última etapa, amanhã, terá 263,88 quilômetros. No total serão 1.398.

Varela e Gugelmin vão correr as cinco etapas do Campeonato Mundial de Rally Cross Country. Depois do Catar, a próxima será em Abu Dhabi, seguida por Turquemenistão, Cazaquistão e Marrocos. A temporada termina em outubro.

Além do Mundial, Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin também vão correr as principais provas no Brasil, como o Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country, que engloba o Rally RN 1500 e o Rally dos Sertões.

Resultados acumulados nos UTVs após cinco etapas

1. Reinaldo Varela (BRA)/Gustavo Gugelmin (BRA) – Can-Am Maverick – 15h13min39seg
2. Fedor Vorobeyev (RUS)/Kirill Shubin (RUS) – Can-Am Maverick X3 – 17h49min49seg
3. Camelia Liparoti (ITA)/Max Delfino (FRA) – Yamaha YZX 1000 R – 19h20min10seg
4. Abdullah Al-Zubair (OMN)/Nasser Al-Kuwari (QAT) – Can-Am Maverick – 110h11min39seg
5. Adel Abdulla (QAT)/Marc Serra (ESP) Can-Am Maverick – 111h37min56seg
6. Mohammed Al-Attiyah (QAT)/Sergio Lafuente (URY) Can-Am Maverick – 112h05min35seg
7. Khalid Al-Mohannadi (QAT)/Loic Minaudier (FRA) Polaris RZR 1000 – 112h39min22seg
8. Michele Cinotto (ITA)/Maurizio Dominella (ITA) Polaris RZR 1000 T – 113h46min48seg
9. Ahmed Al-Kuwari (QAT)/Manuel Lucchese (ITA) Can-Am Maverick X3 – 115h50min48seg
10. Rashed Al-Mohannadi (QAT)/Ahmed Al-Fares (KWT) – Polaris RZR 1000 – 116hrs 34min 48seg

* Ricardo Ribeiro, paulista, 47 anos, é jornalista, louco por internet, tecnologia, fotografia, vídeo e café. A trabalho, participando das maiores provas off-road do Planeta, já esteve em 38 países. Fez a cobertura do Paris-Moscou-Ulan Bator-Beijing, entre França, Alemanha, Holanda, Finlândia, Rússia, Cazaquistão, Mongólia e China. Também foi quatro vezes para o até então ‘Paris-Dakar’ na França, Espanha, Marrocos, Mauritânia, Líbia, Egito, Tunísia, Mali, Burkina Faso e Senegal, na África, e três vezes entre Argentina, Chile, Bolívia e Peru. Fez a cobertura do Rally dos Sertões pela primeira vez em 1999. Já fez a cobertura da Stock Car, a maior prova do automobilismo brasileiro, da MotoGP, Rally RN 1500 e várias outras competições.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.