Exclusivo: Giaffone Racing, que fabrica os carros da Stock Car, entra para o mundo dos UTVs

Exclusivo: Giaffone Racing, que fabrica os carros da Stock Car, entra para o mundo dos UTVs

Ricardo Ribeiro

30 de novembro de 2019 | 15h54

Fala amigos e amigas fãs de rali e off-road! Tudo bem? Tenho uma novidade para vocês! A empresa Giaffone Racing, responsável pela fabricação de todos os carros da Stock Car, agora vai entrar no mercado que mais cresce no Brasil e no mundo: o dos UTVs.

A Giaffone Racing está produzindo o equipamento na Granja Viana, na Grande São Paulo, e fará os primeiros testes em janeiro de 2020. O novo veículo vai usar muito nióbio, que é uma “liga de aço brasileira”, como define o fabricante. O nióbio é mais leve e 12% mais resistente que o molibdênio. Ou seja, o UTV terá um tubo com parede mais fina e terá a mesma resistência de um tubo mais grosso de molibdênio.

O que é um UTV?

Imagem 3D do UTV Giaffone Racing. O modelo não será exatamente igual a imagem. Divulgação

No começo aqui no Brasil, quando ninguém sabia ao certo como definir o veículos, os UTVs eram chamados de “espécie de buggy”. Eu mesmo cansei de usar esse termo. Aliás, já contei no Estadão.com toda história dos UTVs aqui no país desde a corrida experimental no Rally dos Amigos, no interior de São Paulo.

Nas competições off-road, e principalmente na diversão da família e grupo de amigos (lazer puro!), o UTV é a categoria que mais bomba por vários motivos: é prazeroso de dirigir, é seguro e não é tão caro como os carros, embora muitas equipes estejam investindo um caminhão de dinheiro para prepará-los para disputar grandes provas como o Rally dos Sertões, Rally Dakar, Rally do Marrocos e por aí vai.

Reinaldo Varela (dir) e Gustavo Gugelmin venceram a Copa do Mundo de Rally Cross Country com um Can-Am Maverick X3. Foto: MCH/Divulgação

Aliás, o Brasil é a “Capital Mundial do UTV” devido à conquista de títulos das provas mais importantes do mundo, como o Dakar e a Copa do Mundo de Rally Cross Country, da FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

O primeiro lugar mais alto no pódio para o Brasil veio em 2017 com a dupla Leandro Torres e Lourival Roldan, que faturaram o Dakar, em janeiro daquele ano, com um UTV Polaris. No ano seguinte, mais uma vez a bandeira brasileira voltou a tremular com Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, com um Can-Am Maverick X3. Mais um título na prova mais conhecida, mais importante e mais disputada do Planeta.

Lourival Roldan (esq) e Leandro Torres comemoram a vitória inédita do Brasil no Rally Dakar 2017. Foto: Victor Eleutério/Fotop/Vipcomm

E nesse ano, em outubro, no Marrocos, na África, Varela e Gugelmin venceram a Copa do Mundo de Rally Cross Country depois de etapas no Catar, Emirados Árabes e Cazaquistão.

Novo UTV da Giaffone Racing

Imagem 3D do UTV Giaffone Racing. O modelo não será exatamente igual ao da imagem acima. Divulgação

Pronto! Já apresentei um pouco do UTV e agora vamos falar do novo produto que está sendo fabricado na Grande São Paulo. Bora mostrar com exclusividade as especificações técnicas do novo UTV da Giaffone Racing.

Chassis: tubular com tubos Docol R8 (Nióbio)
Direção: Cubo rápido, assistência elétrica
Motor: Motor de moto de 600cc até 1340cc
Transmissão: Câmbio sequencial de moto com paddle shift (borboleta) e diferencial (LSD) de corrida
Tração: traseira (4×2)
Suspensão dianteira: Duplo A. 590mm de curso
Suspensão traseira: Semi-trailing arm. 430mm de curso
Rodas: 15×7 com pneus 32x10x15
Entre eixos: 2.900 mm
Largura: 2.000 mm

Luiz Facco e Idali Bosse venceram o Rally Minas Brasil com o buggy V8 da Giaffone Racing. Foto: Sanderson Fotos

Luiz Facco e Idali Bosse venceram o Rally Minas Brasil com o buggy V8 da Giaffone Racing. Foto: Sanderson Pereira Fotos

A entrada no mundo dos UTVs é mais um salto da Giaffone Racing no off-road. A empresa sempre fabricou carros de corrida no asfalto, como os Stock Car e Mercedes Challenge, mas resolveu investir em outras frentes quando lançou o buggy 4×2, com motor V8. A estreia do produto em uma grande prova foi no Rally dos Sertões 2018 com apenas um carro e nesse ano já foram oito.

É isso aí! O mercado off-road não para de crescer no Brasil e no mundo!

* Ricardo Ribeiro, 48 anos, já participou dos maiores ralis do mundo, como o Paris-Moscou-Ulan Bator-Pequim. Cobriu 7 vezes o ‘Paris-Dakar’, na Europa, África e América do Sul, e já trabalhou em mais de 10 Sertões.

 

 

Tendências: