Exclusivo: Terremoto no México faz equipe cancelar participação em rali com carro 100% elétrico

Exclusivo: Terremoto no México faz equipe cancelar participação em rali com carro 100% elétrico

Ricardo Ribeiro

22 de setembro de 2017 | 19h30

E aí, amigos. Tudo bem?

Estou no México para acompanhar o ‘Tijuana Desert Challenge’, prova que acontece no deserto mexicano para carros, buggies, motos, quadriciclos e UTVs. O cenário da competição fica pertinho da fronteira com os Estados Unidos e a mais de 2.800 quilômetros da Cidade do México, onde as consequências de um terremoto mataram mais de 220 pessoas.

Em solidariedade às vítimas e às famílias delas, várias empresas cancelaram eventos, ações promocionais e de marketing. Uma delas foi a espanhola Acciona, de energia limpa.

Presente no México desde a década de 70, a companhia ainda vai anunciar oficialmente hoje a desistência da participação da equipe Acciona 100% EcoPowered com um carro elétrico no Desert Challenge. No mundo, o México é um dos países mais estratégicos para a empresa, que vai construir o maior parque eólico aqui.

Aqui no México, duas mulheres estariam no comando no carro elétrico, neste sábado e domingo: a piloto Andrea Peterhansel e a navegadora Emma Clair. O veículo que seria usado no Desert Challenge foi o primeiro e único a concluir o Rally Dakar, a maior e mais difícil prova do planeta. A façanha aconteceu em janeiro deste ano.

Acabei de encontrar Andrea Peterhansel (sim, ela é mulher de Stephane Peterhansel, o maior campeão de rali da galáxia) aqui em Tijuana. Me falou do carro, da tecnologia e que lamentava não correr o Desert Challenge. Mas lamentou ainda mais a tragédia que aconteceu na Cidade do México.

Aproveitei e fiz um convite: para ela discutir com a equipe a possibilidade de um dia correr o Rally dos Sertões com um carro elétrico. Gostou da ideia, principalmente por ser o Sertões. Ela já esteve no Brasil com o maridão e sabe bastante sobre o país e nossas provas. Mas o carro da Acciona 100% EcoPowered ainda tem um grande problema: a autonomia.

Carro elétrico no Rally dos Sertões no Brasil?

Dependendo do piso e do estilo de pilotagem, o carro não consegue percorrer mais do que 200 quilômetros. No Sertões, as etapas ultrapassam facilmente essa distância.

“E se trocasse a bateria no meio do trecho, nos postos de abastecimento?”, perguntei, no auge da minha ignorância sobre autonomia de carros elétricos em um rali. “Até daria para trocar a bateria, que pesa 300 quilos…”, disse a piloto alemã, que já correu os maiores ralis do mundo de carro, moto e até caminhão. Andrea Meyer (nome de solteira) já entrou para o seleto time de top 5 do Dakar ao conquistar a quinta colocação com um Mitsubishi.

Quem sabe um dia a gente possa assistir Andrea correndo no Brasil com um carro elétrico?

Brasileiros no México e no Dakar. E tem projeto de carro novo na área

Tem mais novidades daqui do México! Fique ligado!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.